segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Jorge Jesus, Rui Costa e o bom nome da agremiação

O Benfica tinha acabado de marcar o 2º golo, o da vitória frente ao Marítimo. O árbitro dá o encontro por terminado. Acto subsequente os jogadores do clube insular rodeiam o árbitro para manifestar a sua indignação por este não ter terminado o jogo mais cedo. Recorde-se que o jogo tinha 4m de desconto e acabou com 5.18m, estávamos portanto nos descontos dos descontos. 
[EDIT: Alertado pelo leitor atento, Sansão, corrijo que o golo foi obtido a 5'' do final do tempo de desconto. Link]

O acto, vulgar e característico do nosso futebol, redundou num outro que parece que se tornará também ele característico. Porque é já um acto vulgar. Jorge Jesus, numa espiral apoplética, algures entre a histeria e a epilepsia, corre em direcção a um aglomerado de jogadores Maritimistas simplesmente para os insultar e provocar. Um acto normal em Jorge Jesus? Sim, concordo, mas é um acto impróprio que deveria ser repudiado pelos superiores hierárquicos, no caso Rui Costa e Luis Filipe Vieira.

Contudo nem Rui Costa, que eu tomava como pessoa educada e moderada, escapa a esta verdadeira mancha numa agremiação que se quer fazer respeitar. Se nas outras vezes que se aventou a possibilidade de Rui Costa ser, ele próprio, o instigador de problemas, eu duvidei, desta vez tenho a lamentar que, o outrora Maestro, não tenha tido um comportamento adequado. Uma verdadeira lástima.

Creio que Luís Filipe Vieira, sempre prestes a defender o bom nome da agremiação encarnada, não deixará passar em claro este comportamento lastimoso dos funcionários Benfiquistas e, certamente, aplicará um correctivo correspondente à grandeza do clube a que preside. Isto para que os rivais não se riam sempre que for levantada a bandeira da dignificação do futebol português.

PS: Alguém consegue explicar o porquê de umas vezes, quando um qualquer jogador sai do terreno de jogo e vai comemorar um golo com o público, vê o cartão amarelo e outras não? O mesmo se aplica quando se tira a camisola. É que já não sei qual o critério, a existir algum...

PPS: O facto de um cartão amarelo afastar o jogador em causa do próximo jogo é somente um detalhe sem importância para o caso.

11 comentários:

  1. O iluminado que escreveu esta prosa quis dar a entender que o golo do Benfica foi fora do tempo. Lamento a desilusão que lhe possa causar mas o tento encarnado foi aos 93'55''. Quanto à questão do festejo do mesmo, hoje o tribunal d'O Jogo foi unânime em afirmar que decorreu dentro das regras do jogo, não havendo lugar à sanção disciplinar com cartão amarelo.

    ResponderEliminar
  2. O 'iluminado' que escreveu o texto fui eu mesmo. O mesmo que já deu aí umas palestrazitas na UTAD. ;) Mas tens razão que o golo foi obtido a 5' do final. A correcção foi feita no post. Obrigado por esse contributo.

    Mas de qq das formas escapas por entre os pingos de chuva e foges por uma questão lateral. A moral do post não é, nem de longe nem de perto, a arbitragem.

    Ficaria extremamente desapontado se tu, Sansão, não compreendesses onde queria chegar...

    ResponderEliminar
  3. Sansão, e essa ideia de trazer à colação o o tribunal d'O Jogo é um EPIC FAIL. É que assim perdes um a bela 'arma de arremesso'.

    De hoje em diante vamos então reger-nos pelo tribunal d'O Jogo, ok?

    ResponderEliminar
  4. Eu concordo completamente com a condenação dos actos do Jesus, daí não me ter referido a isso. apenas expressei a minha opinião em relação a dois dados que transmitiam uma falsa ideia

    ResponderEliminar
  5. Não percebi porque te remeteste ao silêncio, no teu 1º comentário, se concordas com o teor do post. A saída de emergência arranjada foi uma questão lateral. Mas registo, para memória futura, que agora o Tribunal d'O Jogo deve ser considerado uma fonte fiável.

    ResponderEliminar
  6. PS:
    o critério é muito simples, Fabio está à beira do 5º amarelo e é fundamental para o(s) próximos jogos.
    Só em relação a este jogador temos:
    o lance aos 66 min
    os festejos no 2º golo
    a cotovelada ao adversário ao min. 82

    2 lances para amarelo e 1 lance para vermelho directo.

    ResponderEliminar
  7. Ai se o guarda abel fosse benfiquista

    ResponderEliminar
  8. O guarda abel foi aquele que deu umas chapas no aeroporto?

    ResponderEliminar
  9. Então já andavam a chorar os 8segundos depois da hora? temos pena mas o golo foi ainda dentro da hora. Já parecem o choramingos com os 7segundos, curiosamente esqueceu-se de mencionar o árbitro nesse célebre braga 3 x 2 guimarães, com 3 penaltys para os da casa...

    Tudo serve para desvalorizar o benfica, força aí.

    ResponderEliminar
  10. Anónimo. O teu comentário é tão enigmático que não percebi o teu ponto de vista. 8 segundos? 7 segundos? Braga x Guimarães?

    Amigo, não falei em nada disso, lê novamente o artigo...

    ResponderEliminar
  11. 32’: Coentrão insulta de forma grosseira a mãe de um dos árbitros auxiliares (“vai para a p*** que te pariu”). Pelas imagens televisivas, é notório que o árbitro auxiliar ouviu perfeitamente mas, tolhido pelo medo, acobardou-se e nada fez.

    67’: Entrada dura de Coentrão sobre Djalma.

    “67’: Agora é Fábio Coentrão que entra com muita força sobre Djalma. Não há cartão...”, in Record minuto a minuto

    “68’: Agora é Fábio Coentrão que pisa Djalma...”, in Maisfutebol, ao minuto

    82’: Coentrão deveria ter sido punido por cotovelada a Djalma? (in ‘Tribunal de O Jogo’)

    Jorge Coroado: Coentrão foi objectivo no gesto efectuado, atingindo deliberadamente o adversário com o braço direito. Ficou o vermelho por exibir e livre directo por assinalar.

    Pedro Henriques: Djalma é tocado por Coentrão com o braço. É um lance difícil de ver, porque a bola estava noutro local, mas houve infracção para livre directo e cartão amarelo.


    Ele insulta árbitros. Ele pisa adversários. Ele atinge adversários na cara com o braço. Ele festeja fora do campo de forma efusiva, no meio de adeptos e stewards.
    Ele faz tudo isto num único jogo e nem um cartão amarelo vê (seria o 5º e não poderia jogar em Braga...). Isto é mesmo de loucos!

    Depois deste jogo não tenho dúvidas: Coentrão não é um herói, é um super-herói... intocável!

    ResponderEliminar

Escreve aqui a tua opinião, seja ela qual for.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Procurar na Bancada de Imprensa

Pesquisa personalizada

Número total de visualizações de página

SiteMeter

FeedBurner FeedCount

Page Rank

Subscribe via email

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner