quinta-feira, 31 de março de 2011

Phenomenal Woman



Phenomenal Woman

Pretty women wonder where my secret lies.
I'm not cute or built to suit a fashion model's size
But when I start to tell them,
They think I'm telling lies.
I say,
It's in the reach of my arms
The span of my hips,
The stride of my step,
The curl of my lips.
I'm a woman
Phenomenally.
Phenomenal woman,
That's me.

I walk into a room
Just as cool as you please,
And to a man,
The fellows stand or
Fall down on their knees.
Then they swarm around me,
A hive of honey bees.
I say,
It's the fire in my eyes,
And the flash of my teeth,
The swing in my waist,
And the joy in my feet.
I'm a woman
Phenomenally.
Phenomenal woman,
That's me.

Men themselves have wondered
What they see in me.
They try so much
But they can't touch
My inner mystery.
When I try to show them
They say they still can't see.
I say,
It's in the arch of my back,
The sun of my smile,
The ride of my breasts,
The grace of my style.
I'm a woman

Phenomenally.
Phenomenal woman,
That's me.

Now you understand
Just why my head's not bowed.
I don't shout or jump about
Or have to talk real loud.
When you see me passing
It ought to make you proud.
I say,
It's in the click of my heels,
The bend of my hair,
the palm of my hand,
The need of my care,
'Cause I'm a woman
Phenomenally.
Phenomenal woman,
That's me.

Maya Angelou

terça-feira, 29 de março de 2011

Write me down in history




Still I Rise

You may write me down in history
With your bitter, twisted lies,
You may trod me in the very dirt
But still, like dust, I'll rise.

Does my sassiness upset you?
Why are you beset with gloom?
'Cause I walk like I've got oil wells
Pumping in my living room.

Just like moons and like suns,
With the certainty of tides,
Just like hopes springing high,
Still I'll rise.

Did you want to see me broken?
Bowed head and lowered eyes?
Shoulders falling down like teardrops.
Weakened by my soulful cries.

Does my haughtiness offend you?
Don't you take it awful hard
'Cause I laugh like I've got gold mines
Diggin' in my own back yard.

You may shoot me with your words,
You may cut me with your eyes,
You may kill me with your hatefulness,
But still, like air, I'll rise.

Does my sexiness upset you?
Does it come as a surprise
That I dance like I've got diamonds
At the meeting of my thighs?

Out of the huts of history's shame
I rise
Up from a past that's rooted in pain
I rise
I'm a black ocean, leaping and wide,
Welling and swelling I bear in the tide.
Leaving behind nights of terror and fear
I rise
Into a daybreak that's wondrously clear
I rise
Bringing the gifts that my ancestors gave,
I am the dream and the hope of the slave.
I rise
I rise
I rise.

Maya Angelou

Lynda Carter as Wonder Woman

Procurando no meu baú de memórias encontrei isto:

Aos 10 anos foi o mais próximo que estive de ver uma mulher nua. E que bom que foi...
Nota: Só depois de ter feito este post é que reparei num outro, bem melhor do excelente blog Ecos Imprevistos (que ocasionalmente me honra com a sua passagem aqui pelo tasco). 
Vá, vão ler o excelente artigo Wonder Woman... de regresso na TV!

segunda-feira, 28 de março de 2011

Living in América (28.03.2011)


Ok, esta imagem é antiga - remonta ao último mundial em África do Sul e ao jogo USA-England - e fez-me pensar que se a imprensa portuguesa é lastimável, a Americana não lhe fica atrás. Mesmo sabendo que o New York Post, de Rupert Murdoch, não passa de um extinto 24h...

sábado, 26 de março de 2011

Ao Sábado: Em japonês também nos entendemos...

Porque hoje não me apetece pensar muito, já contemplar... Chama-se Yuuri Morishita e é uma Modelo Japonesa. Pormenor importante: tem 25 anos.


Mais aqui, enjoy.

Salvação à vista...

Lucy Pinder
Dizem que depois da tempestade vem a bonança. E que tempestade esta que deixou o Sporting como esta maruja - sem qualquer trapinho no corpo... Nada que um bom Carvalho não resolva...

Fórmula 1: Mundial arranca este fim de semana com cinco campeões

Sempre adorei a adrenalina que os carros de Mansell, Senna, Piquet, Prost ou Patrese proporcionavam. Cada fim de semana que havia uma prova lá estava eu, em frente ao Monitor sempre a torcer por Nelson Piquet e a ver no final o Senna ou o Prost a ganhar. Na melhor das hipóteses ganhava o Nigel Mansell, o britânico que guiava como um louco. Ah, grandes tempos! 

Com a morte de Ayrton Senna, que curiosamente não admirava por aí além (desde novo que gosto de ser do contra...), e as sucessivas reformas da velha guarda, e vá lá, com a supremacia angustiante do Alemão Scummacker, afastei-me sucessivamente da Fórmula 1. Pois bem, o facto de a prova vir a ser disputada por 5 campeões mundiais reacendeu em mim um interesse renovado neste desporto. Se o que a malta quer é futebol e gajas nuas, e eu concordo, o que dizer de grandes máquinas e gajas quase nuas? Tentador, não é?

Então vamos lá recuperar algum do tempo perdido.


O campeonato deste ano de 2011 será disputado por 5 pilotos que já foram campeões mundiais: Sebastian Vettel (o campeão em título), Michael Schumacher, Fernando Alonso, Lewis Hamilton e Jenson Button. Só por si este facto antecipa uma competição emotiva e equilibrada, os ingredientes mínimos para captar a atenção do público. Junte-se-lhe umas 'potentes bombas' no paddok e pronto, cá temos um desporto com tudo para ter todo o meu interesse. Ah e também tem carros...

Muita da piada deste desporto é escolher um piloto e apoiá-lo. O meu último ídolo foi Nelson Piquet - não me perguntem porquê - e para este ano estou ainda na dúvida qual será o meu eleito. Escolher um dos citados campeões seria a escolha mais óbvia certo? Errado. dois são alemães, não me causam grande simpatia. Outros dois são Ingleses, idem, e um é Espanhol. Escolher o asturiano seria um contra-senso, para mim [um dia destes, quando tiver mais tempo abordo o texto deste link que é altamente polémico mas com um interesse enorme para nós Ibéricos]. Avanço na lista de nomes, perante uma inusitada quantidade de alemães (7!), uns quantos sul-americanos e penso «não está fácil!». Vamos ver por equipas, gosto da Ferrari, vejo Alonso e Massa, não servem. Olha, espera está ali a Lotus! Um Finlandês? Ok, serve! Heikki Kovaleinen! Demorei 2 minutos para escrever este nome e se vou falar mais vezes de Fórmula 1 acho melhor escolher uma alternativ, portanto o meu 2º piloto preferido é Vitaly Petrov, porque é russo e é mais fácil de escrever o nome e sempre corro menos riscos de me esquecer do nome do meu piloto favorito... 

A 1ª prova, no Bareihn, foi cancelada [a não ser que tenhas aterrado agora no planeta terra saberás porquê] e a de Austrália realiza-se este fim de semana. É o circuito citadino, de Albert Park, em Melbourne, que dizem ser um dos mais belos. Nesse aspecto, de beleza, eu digo que são todos [link]

Para mais pormenores visita o site da Fórmula 1 [link]

sexta-feira, 25 de março de 2011

Living in America (25.03.2011)


Garanto-vos que a situação aqui caricaturada é a mais pura das realidades, por estranho que vos possa parecer. E não falo somente do Americano da classe média, para quem o Mundo acaba no Texas ou em Montana, falo também do Americano com instrução, conhecedor dos problemas mundiais, que sabe o que é e onde fica o País Basco. Que sabe que a Europa passa por uma crise económica quase sem precedentes, que aposta no NASDAQ como se fosse um qualquer jogo de computador, que ficam chocados com o sofrimento de Elizabeth Taylor e discutem a forma como foi tratada... É este o Americano que, de momento, encolhe os ombros às revoltas no mundo árabe ou ao sismo no Japão, e está é preocupado com o Lockout na NFL que pode colocar em risco a nova temporada.

Enquanto o impasse durar não há catástrofe natural ou crise política, que consiga atrair o olhar dos Americanos, que neste momento não vai mais longe do que o próprio umbigo...

Miúdos mimados!

É o que vocês são!

Não posso acreditar que pessoas inteligentes como vocês, que eu sei que são, se tenham zangado por causa da porcaria da bola! A sério que estou estupefacto com tanta celeuma por... nada! Logo agora que tinha arranjado um subtítulo todo catita, isto não se faz pá!

Curiosamente as pessoas que eu convidei para aqui escreverem foram as que se pronunciaram até ao momento, excluindo o leitor PRT 1893 que é novo aqui no tasco. Vamos por partes que eu nunca gostei de ver as coisas mal esclarecidas:

Julián, o Kmet:
Sinceramente pá, desistir de aqui escrever porquê? Porque te enviam mails a insultar? Olha, deixa que te diga que isso aqui é uma constante desde que escrevi um artigo sobre a selecção nacional. Fui insultado por um cantor qualquer, porque achava que Fábio Coentrão ainda tinha que melhorar no capítulo defensivo. essa besta nunca mais deixou de, ciclicamente me enviar um email só com insultos. Eu não me calei por causa disso Kmet! E essa cena de dizeres que se o blog fosse teu talvez te defendesses melhor? O que queres dizer com isso Kmet? Há outra forma  dizer as coisas que não sejam as que nós pensamos?! E que história é essa de não querer fomentar problemas? Quais problemas? Comigo? Mas eu sou alguma flor de estufa?! Olha que já escrevi posts sobre os 3 grandes, que não foram nada simpáticos, e continuamos todos na boa. É para isso que serve o blog, para se falar do que nos apetece! Olha Julián, o Kmet fiquei desiludido. Não por teres desistido, estás no teu direito, mas porque preferia que fosse por outro motivo, tipo sei lá «olha Dux, desculpa lá mas estou aí enroscado com uma miúda, e tenho mais e melhor do que fazer do que te aturar». Se fosse esse o caso estavas imediatamente desculpado e ainda te dava uma medalha!

Márcio Guerra:
Leio o post no Lateral Esquerdo e percebo que não terá sido esse artigo que despoletou a tua ira. Não pode ter sido Márcio! Ali o Kmet até esteve bem, em não responder a que só insultou, e acabou por responder a um leitor sobre questões pertinentes. Foram opiniões que, por muito que te custe, são opiniões dele! Diferentes das tuas e diferentes das minhas, mas não vi nada de especial! Percebi que o problema talvez fossem os posts que o Kmet escreveu, mas caramba Márcio, até eu escrevi piadas sobre o Benfica (e sobre o Porto e sobre o Sporting...). Foi a forma como ele respondeu noutros blogs? Ok, vi umas coisas que não achei piada nenhuma [já agora kmet, aquelas piadas sobre a Tatiana seria melhor ficarem para as conversas de café...], mas repara que 99% do conteúdo dos blogs são... comentários ofensivos! Tem de haver um filtro da nossa parte, e eu pergunto, quem de nós nunca perdeu as estribeiras? Eu perdi, e várias vezes! Resumindo Márcio, fiquei desiludido, não por teres deixado de cá vir, mas sim porque deixaste de cá vir porque um Sportinguista aqui começou a escrever. Estou em crer que se tens feito um contraditório talvez surgisse algo de positivo entre ti e o Kmet.

Miguel Lima:
A tua participação sempre se pautou por um nível elevado, e que eu me habituei admirar, mas neste último comentário não concordo quando dizes que houve um «insulto gratuito». Não foi gratuito, houve uma troca de palavras muito azeda mas que tinha origem numa divergência. Nem o Márcio é pessoa de fazer uma coisa dessas. De resto o teu comentário tem aquilo que é normal em ti, apelando ao bom-senso e com a tua forma educada de dizer as coisas.

MM:
Como te disse em privado, e reafirmo-o, tu tens o dom da palavra, [algo que a mim me falta, porque o Português não é a minha língua mãe, mas também porque não possuo essas qualidades] da colocação dos argumentos, mesmo que eu nem sempre concorde com eles. Já disse que deverias ter um blog, e volto a repeti-lo, desgastas-te com tricas com quem não merece - no caso com alguns trolls Benfiquistas - e isso também origina a que percas a razão. Como aliás já me admitiste isso. Foi o caso dos teus comentários aqui. Chamares de anormal ao Márcio faz com que percas a razão. MM,  não és «um gajo à toa ou desacompanhado.» muito pelo contrário! Nas mensagens que trocamos penso que te disse (se não disse deveria ter dito) que estás a dirigir mal algo que tens de positivo. De muito positivo. E não falo só da forma como escreves, mas sim da forma como sentes o teu clube. Por isso te convidei para aqui escrever, porque acho que, com um pouco de mais calma e capacidade analítica serias um óptimo elemento. Pensa nisso, de dirigires a tua força para algo mais construtivo.

A todos:
Perdoem-me esta carta aberta. Se me dirijo a vocês num tom que não vos desagrada desde já apresento as minhas desculpas, mas se o faço não é por ter algo contra vocês, muito pelo contrário. Porque do que vos conheço sei que são pessoas de bem, mas com um enorme "defeito": amam cegamente o vosso clube! Eu sei o que isso é, quando o meu Athetic me deixa na mão, também eu fico nas horas! E então se for contra uma das equipas da capital... Nessas alturas vou sempre à Marca e deixo lá os meus 'lamentos' e depois... passa.

Finalizando:
Quanto aqui à Bancada de Imprensa, vai continuar naturalmente, mas num ritmo mais lento nas próximas semanas [tenho alguns posts agendados para dias específicos] mas agora só eu aqui escreverei. E a TM, se ela quiser (não quer...).
Estou ausente por motivos de trabalho, a novidade, boa, é que desta vez estou a adorar de cá estar. Mesmo assim preferia estar na minha terra ou em Coimbra. Mas agora com toda a convulsão que Portugal está a passar não sei mesmo o que fazer. O certo é que, em breve, estarei em Coimbra com a TM (yes!) e depois logo se vê se lá ficamos ou, finalmente, volto a casa como tanto desejo. Era tudo o que eu queria.

PS (1): Lembram-se desta história? Nem imaginam a merda que os Americanos fazem quando sabem de onde sou. Estes tipos são doentes, caralho! 

PS (2): E desta história 'Good things happen on rainy days'? Há dias, passei por uma situação semelhante, com um final diferente. O sussurrar 'estridente' da miúda continua a ecoar nos meus sonhos: 'Doctor, where's the spoon?' Chorei, eu não sou de ferro.

PS (3): Já que estou numa de nostalgia recordo este post para quem não ainda não leu 'Zeitgeist da Bancada de Imprensa...'  É este o novo rumo da Bancada...

quarta-feira, 23 de março de 2011

A despedida

Conheci o DUX_XXI num blog da Académica, já lá vai algum tempo, e desde logo fiquei agradavelmente surpreendido de ver um confesso adepto desse clube, a chamar a atenção ao fanatismo de alguns colegas de blog. Daí a ter começado a ler a Bancada de Imprensa foi um pequeno passo. Um passo bem maior foi ter aceite o convite para cá escrever. O convite era aliciante, o administrador do blog é uma pessoa com quem sempre foi possível conversar tranquilamente, os leitores que por aqui passam, sejam eles do Porto, Benfica ou Sporting sempre souberam manter o nível, mesmo com picardias à mistura. O que não me desagradava de todo. Aceitei o desafio e sempre esperei que outros adeptos de outras cores fizessem o mesmo.

Não o fizeram e acabou-se por chegar a um ponto desagradável de só um ponto de vista, o meu, ter aqui voz. Os trolls apareceram em maior número e os "clientes habituais" desapareceram. Ou seja, o problema está nos artigos que eu publiquei, obviamente. Os insultos por email e nos comentários são mais frequentes. Algo que não é desejável, porque este blog é muito mais do que isto, futebol. Algumas das melhores coisas que já li foram aqui publicadas, e disse isso no momento ao DUX. Este blog não é sobre futebol. Ou melhor, não é só futebol. É muito mais e melhor do que isso.

Já em tempos tive um blog sobre futebol, que acabei por fechar, porque a experiência não foi de todo positiva. O facciosismo em Portugal instalou-se e ficou quase impossível de argumentar o que quer que seja em Portugal. Neste momento está instalado um clima de guerrilha com o qual não me identifico. Por isso, por mim chega. Peço ao DUX que apague todos os artigos e comentários aqui por mim efectuados.

Hoje, quando lia este artigo de um bom blog de futebol [ Lateral Esquerdo ] fiquei um pouco desencantado com este mundo dos blogs. Um (ex)leitor da Bancada de Imprensa interpelou-me de uma forma que eu, sinceramente, não estava à espera. Aí percebi que estava a criar inimizades, onde antes havia crítica construtiva e partilha de opiniões, agora só existia desalento. Não interessa se o que motivou esta nova forma de verem a Bancada de Imprensa foi esta piada ou se foram todos os outros posts. Como não faz parte de mim como pessoa, mesmo não assinando os artigos (ou assinando com uma alcunha), semear discórdia e ódios decidi deixar de aqui escrever.

Tinha um compromisso com o DUX de "segurar" o blog até ao início de Abril. Desculpa amigo, mas não dá. Possivelmente terei feito asneira da grossa, ao aqui publicar textos que não se enquadram com a forma como normalmente vês o mundo. Mesmo este mundo desportivo, onde grassa a intolerância e onde os responsáveis de TODOS os clubes se aproveitam de nós, adeptos, e do nosso amor pelos clubes, para sermos o braço armado das suas, deles, políticas.

Assim sendo, com o fim da minha colaboração, espero que o DUX em breve volte a estas lides e nos brinde com posts bem mais interesstes. Com muita música e fotografia e pontos de vista diferentes, que no final de contas são a essência deste blog. Tanto quanto sei isso acontecerá durante o mês de Abril, resta-nos esperar.

Peço desculpa por eventualmente ter ferido algumas consciências, e um abraço a alguns dos que por aqui passaram, como o leitor PRT1893, que eu suponho ser portista, que produziu alguns óptimos comentários (devias ter um blog).

Um abraço a todos. E obrigado Dr. foi uma honra! 

O jornalismo desportivo português...

... como se sabe é uma miséria. Quando escrevi o post A violência e o futebol. Os anjos e os demónios não falei no tratamento que notícias iguais merecem referências distintas dos jornais da especialidade. Vejam:


Como podemos constatar, quando o carro do Presidente do FC Porto foi alvo de apedrejamento, no Estoril, os jornais dão conta da notícia numa breve nota. Quando se passou exactamente a mesma coisa, com o Presidente Benfiquista, foi dado um destaque muito superior. Uma leitura desatenta dos factos quase que sugere que esta foi a 1ª vez que tal aconteceu. É este jornalismo miserável, sem isenção, faccioso e instigador que grassa em Portugal. Lamentavelmente.

Ontem à noite a casa do FC Porto em Coimbra foi apedrejada. Por uma questão de coerência os jornais de hoje deveriam dar conta desse facto, certo? Não, errado! Só passaram 24h mas a linha editorial deu de imediato uma cambalhota. Vejam:


Comprova-se, uma vez mais, que a imprensa desportiva portuguesa não é isenta, não cumpre a obrigação de informar - e uma vez que não o faz deveria ser alvo de investigação pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social e, em última análise, seria fechada porque não cumpre os requisitos para exercer actividade. O que, aliás, é normal em qualquer actividade.

PS: O Ministro Rui Pereira foi lesto, e muito bem, a condenar a agressão à comitiva Benfiquista. Noutras alturas não se comunicou, mas hoje teria uma óptima oportunidade de se redimir ao condenar o apedrejamento da casa do FC Porto em Coimbra. Até ao momento não o fez, o que acaba por ser sintomático da falta de qualidades destas pessoas em dirigir a nação. Sem querer misturar as coisas, ainda bem que hoje nos vamos ver livres destes tipos. 

terça-feira, 22 de março de 2011

Guarín encosta Moutinho a um canto

Confesso que não consigo perdoar traição de João Moutinho. É cá uma mania minha de achar que as pessoas devem ter honra e dignidade, enfim, patetices da minha parte, deixem lá.

Vejo que Guarín, desde o dia 7 de janeiro, marcou 7 golos e J. Moutinho marcou 0 (zero)! Sinto-me satisfeito, não pelos golos do Colombiano (que é um excelente jogador) mas por constatar que a maçã que tanto reclamava sair para outra banca, afinal, não vale aquilo que custou.

“Por cada leão que cair outro se levantará”


Um dos maiores Leões de sempre tombou hoje. Uma vida preenchida, que foi para lá do seu belo e eterno Sportinguismo, e que muito nos orgulhou. Artur Agostinho faleceu hoje aos 90 anos de idade [25 de Dezembro de 1920 — 22 de Março de 2011].

Uma perda irreparável de um homem ímpar que foi jornalista desportivo, locutor, apresentador de televisão e actor. Qem não se lembra de filmes como Capas Negras (1947), O Leão da Estrela (1947), Cantiga da Rua (1949), Sonhar É Fácil (1951), Dois Dias no Paraíso (1957), O Tarzan do 5.º Esquerdo (1958) e Encontro com a Vida (1960)...

Resta-nos honrar tão grande e gloriosa figura. Obrigado Artur Agostinho, também por tua causa eu sou Sportinguista. Como tantos por esse mundo fora...

A violência e o futebol. Os anjos e os demónios.

A violência no futebol não é de agora, mas tem vindo a acentuar-se nos últimos anos. Eu lamento e condeno qualquer tipo de violência, seja ela perpetrada contra um adepto sportinguista (e que viria a resultar em morte...), contra Pinto da Costa ou Luís Filipe Vieira. Mais ainda quando é dirigida a uma criança. Não quero com isto dizer que este acto foi o catalisador, para o que ontem se viria a passar com a comitiva Benfiquista. Mas que é um facto, que a claque Benfiquista, alberga cobardes disso não tenho dúvidas.


Mas este clima de guerrilha permanente não é da exclusiva responsabilidade desses adeptos mais violentos, basta dar uma vista de olhos nos blogues e ver o culto à violência que se instalou. Um dos muitos cúmulos a que se pode assistir foi este post abjecto onde adeptos benfiquistas saúdam a morte do adepto portista Pôncio Monteiro.

A agressão ontem à comitiva encarnada é da responsabilidade, também, de todos os que quase diariamente, nos programas televisivos, apelam à violência. Assim de repente lembro-me de Pragal Colaço fazer um apelo à violência na Benfica TV (link). E ainda ontem, no programa dia seguinte, o adepto benfiquista em estúdio Rui Oliveira afirmou que a forma descuidada como o FC Porto reage às agressões a adeptos benfiquistas, dá aso a que a uma subida da escalada de violência, que pode acontecer já nos próximos jogos com o benfica...

Não foi preciso esperar tanto.

Eu lamento e condeno, repito, mas os principais culpados são os instigadores da violência, que normalmente m um séquito de amestrados para satisfazer os seus desejos.

PS: Enquanto procurava por uma notícia sobre a agressão a Luís Filipe Vieira, encontrei uma outra deveras reveladora e que demonstra que existem muitos telhados de vidro... Luís Filipe Vieira e motorista acusados de agressão.

Ipswish na II Divisão Zona Sul... de Portugal


O jornal A Bola no seu esplendor...

Futebol piscineiro: O futebol preferido de Aimar, Saviola e Coentrão

Os mergulhos para a piscina de alguns jogadores do Benfica (sim, nem todos praticam esse desporto) são já parte integrante da história do futebol português. [Sobre essa matéria podem consultar os seguintes artigos links (Hulk e os Melões. E uma imensa choradeira, Fábio Mergulhão, Fábio Coentrão a um passo do Milão?]. Depois de procurar encontrei o lugar onde o futebol piscineiro destes atletas poderia atingir a sua plenitude. Vejam:



Digam lá se eles aqui não seriam os melhores jogadores do mundo?

segunda-feira, 21 de março de 2011

Debate a não perder às 21:30h na RTPN

O meu voto está practicamente decidido. É para Bruno de Carvalho. Principalmente porque é o verdadeiro candidato da ruptura de uma política estafada, que já deu o que tinha a dar - e deu pouco... - e que já não honrava a nossa história. Os sócios, mesmo os mais velhos e que no final de contas são que detêm o poder, aparentemente estão motivados para esta Perestroika Sportinguista, já não era sem tempo. Espero não estar enganado, mas agora sim estamos prontos para retomar o caminho do sucesso...

Não se depreenda com isto que Bruno de Carvalho tem carta branca. Não a terá, e certamente que será mais escrutinado do que alguma vez foi um Presidente Sportinguista. Ao Esforço, Dedicação, Devoção e Glória eu acrescento, Rigor, Orgulho e União. Só assim lá chegaremos.

O Debate de logo à noite será mais um momento de esclarecimento, havendo ainda a possibilidade de esclarecimento de algumas dúvidas que ainda possam ter.

PS: A questão do treinador, sendo importante, neste momento é lateral. Os nomes avançados, desde os Holandeses Rijkaard, Van Basten passando pelo português Domingos ou o Brasileiro Zico são nomes que dão uma certa garantia de qualidade. Nesse aspecto estamos então tranquilos. Foquemos-nos, então, nos projectos dos candidatos...

As falsas promessas de um vendedor de sonhos

Calma, não estou a falar de Jorge Jesus, Rui Costa ou Luís Filipe Vieira - embora veja todos os meus amigos benfiquistas à espera de ser o melhor clube do mundo desde 2010... Não, estou a falar de um 'picareta', Nélio Nunes é brasileiro e garante uma carreira na Europa a quem lhe der entre 6300 e 26 mil euros para jogar num clube português que não existe...



A entrevista pode ser lida aqui: Link

domingo, 20 de março de 2011

sábado, 19 de março de 2011

Ao Sábado: Mourning and Melancholia by Sigmund Freud



"A delusion of (mainly moral) inferiority is completed by sleeplessness and refusal to take nourishment, and-what is psychologically very remarkable-by an overcoming of the instinct which compels every living thing to cling to life."

- Mourning and Melancholia by Sigmund Freud

sexta-feira, 18 de março de 2011

O Tango de Gaitán em Paris


Paris parece ser uma cidade onde muitos benfiquistas se revelam...

Então e a equipa principal, pá?!

Quando vi o título desta notícia até nem achei mau negócio. Calma, eu explico:

- Rodriguez é bom jogador, este serve;


- Mateus, pensei que fosse o que estava no Braga. Mas depois fez-se luz (cruz credo) e vi que, entre muitas outras coisas lhe faltava um "h" no nome;


- Sougou, até nem é mau jogador, temos lá piores e para uma 2ª linha pode ser útil.

Mas sim, estamos muito mal quando pensamos em reforçar as nossas 2ªs linhas, então e a equipa principal, pá?!

Benfiquistas festejam a passagem aos quartos de final da Liga Europa

O Sporting de Braga alcançou um grande feito, ao eliminar o Liverpol. O FC Porto como era esperado levou de vencida os Russos do CSKA. O SL Benfica cumpriu, também a sua parte ao eliminar o colosso europeu PSG. No final, os adeptos Benfiquistas festejaram como se tivessem ganho a Liga dos Campeões - agora percebo as promessas do Presidente da agremiação... Foi assim:

quinta-feira, 17 de março de 2011

Humberto Coelho o PSG e a vida em Paris

Como era Paris?

Socialmente, o meu presidente era o Daniel Hetcher, um famoso costureiro [muitas vezes referenciado como inventor do prêt-à-porter], e ele introduziu-me um pouco no mundo da moda. A minha vida social era plena. Ia a muitas festas e desfiles de moda.

 Link

Relembro uma entrevista de Tatiana Romanov [José Castelo Branco]...

Mais à frente (na página 90), sem dizer o nome do envolvido e o hotel onde tudo se terá passado, José Castelo Branco revela, contudo, alguns pormenores: «Foi no centro de Lisboa e ele era capitão da sua equipa em Lisboa e da Selecção Nacional. (...) Pensou que eu devia ter alguma fantasia e enfiou-me no Porsche Carrera dele. Éramos quatro bem apertadinhos. No hotel entrava-se directamente da garagem para os quartos. Eu ia vestida para matar. Tinha um véu colado pela cabeça e pescoço, estava no auge. Vestia um fato com ombros enormes, muito dramático, bem anos 80. Estava de saia triangular, meias de rede e sapatos de saltos altos encarnados.»

St. Patrick's Day Parades, Black Church Are Both Anti-Gay

Irish and African-American lesbian, gay, bisexual, transgender and queer (LGBTQ) communities share a lot in common when it comes to being excluded from iconic institutions in their communities.

For LGBTQ African Americans, it's the Black Church, and for LGBTQ Irish, it's the St. Patrick's Day Parade.

St. Patrick's Day has rolled around again, and like previous March 17 celebrations nationwide, its LGBTQ communities are not invited. As a contentious and protracted argument for now over two decades, parade officials have a difficult time grasping the notion that being Irish and gay is also part of their heritage.


Unlike the Black Church, however -- that has and continues to throw the Bible at its LGBTQ community to justify their exclusionary practices -- the St. Patrick's Day parade committee uses the First Amendment, debating that they are constitutionally guaranteed freedoms of religion, speech and association, and the tenet separating church and state.

Whereas several cities and states are not gay-friendly, Boston is known to be. But to the surprise of its LGBTQ denizens, Boston's St. Patrick's Day parades have no gay revelers marching.

In 1994, Boston's St. Patrick's Day parade was cancelled over this issue. The state's highest court ruled that the parade organizers could not ban LGBTQ Irish-Americans from marching. But in a counter lawsuit, parade officials won, accusing LGBTQ Irish-Americans of violating their rights to free speech under the First Amendment.

Heterosexual Irish-Americans discriminating against their LGBTQ communities is so reminiscent, to me, of how straight African Americans discriminate against their queer communities, with both forgetting their similar struggles for acceptance.

In the not so distant past, Irish Americans were scoffed at for showing their Irish pride, and they were discriminated against for being both Catholic and ethnically Irish. As they immigrated to these shores tension rose. By the mid-19th century anti-Irish bigotry was blatantly showcased throughout our cities as businesses put up placards saying: "No Irish Need Apply." During the 1900s in New York City, for example, newsboys, found on every corner or on a regular newspaper route, were often children of immigrants, and fought fiercely with each other for these jobs. Italian and Jewish immigrant kids would mock Irish boys screaming, "No Irish need apply." And the song "No Irish Need Apply" captured the daily hardship Irish Americans confronted looking for work:

"I'm a decent boy just landed
From the town of Ballyfad;
I want a situation, yes,
And want it very bad.
I have seen employment advertised,
"It's just the thing," says I,
"But the dirty spalpeen ended with
'No Irish Need Apply.'"


And like my ancestors of the African diaspora, the Irish were once enslaved, a.k.a. "Indentured Servants," and bound for the Americas by the British. King James II and Charles I enslaved the Irish by selling 30,000 Irish prisoners as slaves, making Ireland, as with Africa, and a huge source of human livestock. The forced interbreeding of Irish females with African males was widespread on British plantations in the Caribbean and U.S. until it was outlawed in 1681, giving birth to anti-miscegenation laws.

As a matter of fact, the Irish didn't become "white" in America until they fully participated in the wave of anti-black violence that swept the country in the 1830s and 1840s, where unskilled Irish men competed with free African Americans for jobs.

So I ask, what would St. Patrick do in this situation?

He would unquestionably welcome Irish LGBTQ, especially in a parade named after him.

St. Patrick was a man who used his experience of struggle to effect change.

As a 5th century English missionary to Ireland, St. Patrick was born in 387 and died on March 17, 461 CE. He was taken prisoner by a group of Irish raiders attacking his family's estate that transported him to Ireland where he spent six years in captivity.

After six years as a prisoner, St. Patrick escaped, but returned to Ireland as a missionary to convert the Irish to Christianity. As a priest, he incorporated traditional Irish rituals rather than eradicating their native beliefs. St. Patrick used bonfires to celebrate Easter since the Irish honored their gods with fire, and he superimposed a sun, a powerful Irish symbol, onto the Christian cross to create what we now know as the Celtic cross.

Many parade officials may think they are honoring the St. Patrick's Day tradition by excluding its LGBTQ communities, but like the Black Church, they will only be dishonoring themselves.

And, truth be told, no one knows how to throw a party or put on a parade like the LGBTQ community.

Fonte: The Huffington Post

Rue des Plantes, Paris, 1950

Photo by Todd Webb, 1950

“Ou le luxe est l’effet des richesses, ou il les rend nécessaires ; il corrompt à la fois le riche et le pauvre, l’un par la possession, l’autre par la convoitise.”
 
- Jean-Jacques Rousseau | Du contrat social
 

Perestroika Sportinguista


Cherbakov, a antiga glória leonina, apoia Bruno de Carvalho... e eu também.

O candidato Bruno de Carvalho aproveitou, e bem, a estadia na Rússia para não só anunciar os nomes que compõem o fundo de investimento russo, mas também para obter apoio de Cherbakov. Saúdo esta perspectiva de regresso do grande "Cheba" ao Universo Leonino. Relativamente às dúvidas que se levantam ao fundo de investimento eu digo que o dinheiro vindo da Rússia é "tão bom" como o que vêm de Angola, ou pensam que o dinheiro que entra no essiobê é proveniente do Turismo e da venda de água de coco? Ao que parece o Chelsea de Abramovich também não se queixa do dinheiro russo, muito pelo contrário. Para além do mais este fundo não fará parte do Sporting, é tão só um investimento como qualquer outro. E para quem tem dúvidas aconselho a leitura deste artigo “Factor russo” na eleição do presidente do Sporting Clube de Portugal” por José Milhazes" 

Entretanto os serviços de comunicação da candidatura de Bruno de Carvalho deram a conhecer todos os pormenores desse fundo.

Eis o teor do comunicado:

“No seguimento da estratégia e timetable definidos para a evolução dos trabalhos por Bruno de Carvalho, desde o anúncio da candidatura à presidência do Sporting, vimos agora, e após anúncio dos investidores, realizada segunda-feira, numa unidade hoteleira de Moscovo, comunicar e explicar os contornos do Fundo ‘Sporting Champions’.

I. Formato legal: Fundo de Investimento Mobiliário Fechado;

II. Objectivo: Reforço do plantel do SCP e gerar mais valias quando os jogadores se transferirem para outro clube;

III. Nome: Sporting Champions;

IV. Montante: 50 milhões de euros;

V. Activos: jogadores do Sporting CP;

VI. Mais valias: 60% Sporting (para compensar o suporte dos salários feito pelo clube) e 40% investidores;

VII. Quem decide as contratações: O Sporting. O fundo, depois, vê se aceita o jogador ou não;

VIII. Condições: os jogadores tem de ficar no Sporting no mínimo duas épocas e o Sporting tem sempre o direito de opção de compra do jogador ao fundo se assim o entender importante para o clube;

IX. Sediação do fundo: Portugal.

Modelo de negócio pretendido para o Sporting:

A ideia última por detrás deste fundo consubstancia-se na possibilidade que o Sporting passará a ter de incorporar jogadores de topo no seu plantel, sem ter a necessidade de fazer o esforço financeiro no momento do investimento, sendo o mesmo suportado pelos investidores.

Assim, o risco do investimento será suportado pelos investidores e as mais valias repartidas percentualmente conforme acordado (Sporting 60% – Investidores 40%).

O que se pretende é atrair ao Sporting a possibilidade de valorizar a sua equipa, ser mais competitivo e voltar a ser um agregador de paixões e multidões, como sempre o foi ao longo da sua história centenária.

O aumento da competitividade, a luta pelos títulos, os melhores espectáculos que se poderão oferecer, trarão consigo o potencial de negociação de melhores condições com patrocinadores, vendas de direitos televisivos, renegociação de condições com credores, entre outros acordos, sempre em benefício do Sporting.

Assim, o Fundo ‘Sporting Champions’ tem como fim último o facto de ser uma das bases primordiais para implementar a estratégia que Bruno de Carvalho desenhou para o Sporting.

Estratégia essa que se baseia em torno da mobilização e agregação dos sócios, que levem ao aumento da fidelização dos sócios, simpatizantes e adeptos, potenciando o aumento das quotizações e captação de novos sócios, ao incremento da venda de ‘gameboxes’ e bilhetes, numa politica de Estádio cheio, e à potenciação do aumento das vendas de merchadising do clube.

Em fim pretende-se devolver o sonho, o espírito Sporting de ‘Esforço, Dedicação, Devoção e Glória’, e voltar ao rumo de conquistas e das vitórias que o clube sempre habituou os seus seguidores”



Apoio Bruno de Carvalho, porque quero ver o Sporting a romper com o passado, já não consigo ver estes Abrantes, Ferreiras, Guedes e Baltazares. Por mim chega. Espero, sinceramente, que Bruno de Carvalho tenha a noção que nós Sportinguistas pedimos uma Perestroika...

quarta-feira, 16 de março de 2011

Segurar as pontas

Estou longe de Portugal mas não consigo esconder a minha preocupação pela pátria que também considero minha. Leio que a manif do fim de semana passado correu bem, com uma adesão em massa por todas as faixas etárias de portugueses e penso, "óptimo, agora têm de nos ouvir!" depois leio que os camionistas protestam e quase paralisam o País "mais uma força que se junta contra esta situação desesperante e vergonhosa". Estes seriam os condimentos necessários para vermos, finalmente, uma inversão na política de terra queimada proveniente dos nossos políticos, porque dizem que é o povo quem mais ordena... Mas hoje leio isto, com tantas medidas importantes a tomar vamos reduzir o IVA do Golfe de 23% para 6%?! Mas o que é isto? Já nem falo da promessa de Teixeira dos Santos que dizia ontem "...não poderão haver excepções". Uma vez que ele não soltou uma enorme e maléfica gargalhada no final, eu, inocentemente, até acreditei no gajo. Definitivamente: Everything's fucked up, and nobody goes to jail! 

Está visto amigos, vamos ter que ser nós a segurar as pontas e fazê-lo ao menos que se comece por algo que nos dê algum prazer:

O que o País precisa é de algo que nos segure, ou isto vem tudo por aí a baixo...



Javier Saviola apanhado a conduzir com álcool

Adepto do essiobê completamente bêbado na brincadeira (acho eu)

Luizão já tem sucessor na adega da Luz. Javier Saviola foi apanhado a conduzir com uma taxa de alcoolémia de 0,80g/l bem acima do superior ao permitido por lei (0,50g/l). O caso terá acontecido na semana passada após o jantar de aniversário da namorada, Romanella Amato. Saviola arrisca-se a ficar sem carta, durante três meses. Link

Belfast barricade, 1969.


"L'impôt sur le revenu agit comme le mors ; l'impôt sur le capital agit comme l'éperon."
- Emile de Girardin    Le socialisme et l'impôt

terça-feira, 15 de março de 2011

Semelhanças entre Homens e Mulheres

Na Luz saúda-se assim...


Nuno Gomes a fazer a histórica saudação. Só lhe falta jogar com o número 88.

International Women's Day


Com atraso, porque o tempo é escasso e ando desencontrado das horas do movimento da Bancada, mas bem dentro do espírito de ajuda, fica aqui o meu apelo. Por favor façam a diferença.


Dear Dux,

Today, join us in celebrating the 100th anniversary of International Women's Day, which highlights women around the world who are achieving amazing things. In honor of this special day, I'd like to introduce you to one of them.

Penelope Machipi comes from a poor village in Zambia. By age 12, she had lost everything – her parents, her home, and her opportunity for an education. She was forced to drop out of school to help support her siblings.

But donors like you helped Penelope transform her life. She received a Camfed scholarship and graduated from high school. Today, she's an IT expert who teaches computer skills to girls and young women in her rural community.

“When we stand together, we can make a difference,” she says.

Penelope is making a difference not only as a role model and teacher. She's also a filmmaker, leading a group of women who make films about the most challenging issues in their community.

Today, we're proud to announce the premiere of their new film, “Hidden Truth.” An intimate portrayal of the effects of domestic violence on women and children in rural Zambia, the film is breaking silence within communities and sparking unprecedented dialogue for change. Watch an excerpt of the film here.

On this International Women's Day, let's stand together with Penelope and take action. As her story proves, when you educate a girl, you not only change her life, you change the lives of her family, her community and future generations.

Get involved by visiting www.camfed.org/intwomensday and sharing this email with friends and family.

Thank you so much for your support!

Warm regards,


Brooke Hutchison
Executive Director, Camfed USA

segunda-feira, 14 de março de 2011

"O Benfica jogou com 10 suplentes" (*)

(*) Dizia-me um Benfiquista, em tom de desculpa, pela forma como o Benfica não jogou contra o último classificado da Liga - o Portimonense - que aliás poderia ter vencido folgadamente. Eu questiono: a agremiação jogou com que jogadores? do Porto? Não. Do Setúbal? Não. Do Cascalheira? Pareciam, mas também não, eram mesmo jogadores da agremiação calimera. Usar isso como desculpa ainda me faz rir mais do que ver Roderick, Kardec, Menezes ou Carole a jogar. Aliás, o (?) jogador de futebol(?) com nome de mulher de vida fácil (tinha que vir jogar com papoilas..) já me fez dar umas valentes gargalhadas. Obrigado.

Atenção que nem todos os adeptos do Benfica são Calimeros, como escrevi já alguns se renderam às evidências - o FC Porto este ano foi demasiado forte - e outros há que não o dizendo já se conformaram e apontam baterias ao... Sporting. Lá está a fora pequenina de pensar, que se contenta de ficar à frente de um dos rivais...

Alheio a esta forma de pensar o FC Porto vai coleccionando títulos e nem posso diz que os jogadores são, como dizer, uns craques. Muito bons jogadores sim, são. Mas excluindo os craques óbvios - Hulk, Falcao, Fernando, A. Pereira - tem outros jogadores que provavelmente no Sporting ou Benfica pouco resultariam - Sapunaru, Varela, -  mas que integrados numa política rigorosa em que 1º está o clube e magistralmente orientados por A. Villas-Boas formam uma equipa temível. Tudo isto é mérito do FC Porto como organização. Com muita inveja minha.

PS: E não, não considero João Moutinho um grande jogador. Penso até que o Sporting fez muito bem em o vender. Pelo encaixe que proporcionou e pela forma como J. Moutinho sempre reagia quando não se concretizava a saída de Alvalade. Concedo que com ele não há bolas perdidas e há sempre muito 'pulmão' mas falta-lhe génio para ser mais que um carregador de piano. Falta-lhe génio, e isso não se aprende. Ah, e também lhe falta carácter, estarei aqui para ver o que ele irá fazer para sair do FC Porto, e o que dirão, nesse momento, os adeptos portistas...

A rendição

Com o Quim na baliza e qualquer amador a treinar este plantel, éramos campeões.

Um desconsolado adepto Benfiquista, rendido às evidências. E repare-se bem, não usou a arbitragem como desculpa! Notável.

domingo, 13 de março de 2011

{avis de beau temps}

No estado em que o Sporting está proponho uma mudança de equipamento. Pelo menos alegrava mais a malta!



patricia3

Os filhos da Academia do Olimpo: Luís Boa-Morte

Aproveito a entrevista de um dos filhos da Academia do Olimpo, a Academia Sportinguista evidentemente, para apresentar a minha nova rubrica que ciclicamente servirá para apresentar um jogador saído da melhor escola de talentos futebolísticos mundial, a Escola Sportinguista. Hoje aproveito a entrevista do jornal i para apresentar Luís Boa-Morte, ex-atleta Sportinguista que actualmente joga no West Ham.

"Já trabalhei num supermercado e fui ajudante de electricista"

O i entrevista o primeiro estrangeiro contratado por Wenger, treinador do Arsenal que hoje joga em Barcelona com um inglês (Wilshere) e dez imigrantes
O Carnaval significa boa disposição. Que combina com Boa Morte, a primeira contratação estrangeira de Wenger, que treina o Arsenal, a equipa mais jovem da Liga dos Campeões: 22,4 anos. Hoje, é Carnaval e joga o Arsenal em Barcelona. É diversão sem parar. Por falar nisso, o i entrevistou Boa Morte.

Boa Morte, boa tarde. Daqui Rui Miguel Tovar do i.

Do i? [puxa pela cabeça] Do i, siiiim! [entusiasmo] Boa, boa. Diz.

Ligo-lhe a propósito do Barcelona-Arsenal da Liga dos Campeões.

Grande jogo. Vou estar atento, embora esteja aqui no Algarve em estágio com o West Ham. Vai ser treinar, jantar e arranjar um lugar à frente da televisão.

Também viu o jogo da primeira mão pela televisão?

Sim. O Arsenal foi feliz no 2-1.

Nos tempos que correm, um Barça-Arsenal mais parece um Torneio Toulon...

[risos] Muita juventude, não é?

Pois, é a formação do Barcelona com a formação do Arsène Wenger.

São duas escolas fantásticas. Conheço bem a do Wenger.

Exacto, foi contratado por ele em 1997, depois de um Torneio Toulon, não foi?

Sim, em 1997. Na altura, jogava no Lourinhanense, espécie de equipa B do Sporting. Estávamos na 3.a divisão e fomos os campeões da série D [com 11 pontos de avanço sobre o Estrela de Portalegre]. Devo muito ao seleccionador nacional Jesualdo Ferreira, que confiou na minha capacidade e na de outros jogadores do Lourinhanense [como Caneira, Patacas e Nuno Assis], chamou-nos à selecção e tive a felicidade de ser observado por responsáveis do Arsenal nesse Torneio de Toulon. Eles entenderam-se com o Sporting e assinei por eles. Por isso, não completei a época no Lourinhanense, que, apesar de acabar em primeiro lugar a série D, teve de disputar um play-off de apuramento de campeão da 3.a divisão. Nessa parte eu já não participei.

Já estava em Londres?

Sim, sim. Cheguei lá e fui apresentado a 3 de Junho.

Com o Wenger?

Não, o Wenger faltou porque um amigo dele tinha falecido. Mas ele ligou-me nesse dia a encorajar-me e trocámos umas palavras. Só o conheci mais tarde.

E? A ideia geral é a de que Wenger é arrogante, blasé...

Não, não, não vá por aí. O Wenger é impecável. E sabe falar com os jogadores, no balneário. Está sempre na sua onda, é isso. Quando ganhámos campeonato e Taça de Inglaterra, logo na minha época de estreia, em 1997/98, ele lá estava na festa, mas sempre na sua, sem grandes euforias. É assim, o Wenger. Repare, o Kolo [Touré, capitão do Manchester City e ex-Arsenal] deu positivo num controlo antidoping na semana passada. Sabe quem foi o primeiro a telefonar ao Kolo? O Wenger. Na época passada, eu lesionei-me gravemente e só fiz um jogo de Agosto a Maio. Sabe quem me ligou regularmente para falar comigo e me animar? O Wenger. É um homem que sabe o que quer, que tira o melhor dos jogadores à base da conversa.

O futebol foi sempre o seu sonho?

Sim, desde sempre.

E como é que lhe apareceu?

Aos dez anos fiz uma época no Arrentela, que era o clube mais perto de casa. Aos 11, fui para o Sporting, onde fiquei dois anos antes de ser emprestado ao Cova da Piedade, devido àquelas políticas em relação à estrutura física. Três anos depois, regressei ao Sporting, porque jogámos com eles e, apesar de termos perdido, o jogo correu-me tão bem que fui abordado para regressar.

Só jogava à bola?

Nããã. Também trabalhava. O meu primeiro emprego foi na Costa da Caparica, no supermercado do parque de campismo. Depois trabalhei com motores de frigorífico e fogões, em Alcântara. E ainda fui ajudante de electricista com o meu irmão.

Sabe que o Boa Morte é o segundo português no estrangeiro com mais jogos?

A sério? Há dias, estava na casa da minha mãe, onde tenho as camisolas que troco nos jogos, e vi uma do Zola, que me treinou no West Ham, e outra do Steve Clarke, adjunto do Mourinho entre 2004 e 2007. Porque o meu primeiro ano em Inglaterra foi o último do Steve Clarke. Quando penso nisso, percebo que já estou cá há uns aninhos. Agora, não tinha noção dessa estatística. Quantos jogos?

Entre Arsenal, Southampton, Fulham e West Ham, 510.

Eh lá. Bom, bom... E quem vai à frente?

É o Figo.

Quantos?

Mais de 700.

Tchiiii. Ora bem, eu tenho 510 [e começa a pensar alto] 600, 700. Ainda falta [risos], mas calma, não me tirem esse sonho de chegar à frente [mais risos].

Tem algum jogo dos 510 na memória?

Um Fulham-Chelsea, em 2005, no Boxing Day. Fizemos o 1-0 de penálti, eles empataram e deram a volta, empatámos 2-2 e antes do 3-2 deles houve um penálti claro a nosso favor que o árbitro não assinalou. Perto do fim, num lançamento lateral perto do banco do Chelsea, o Mourinho deu-me a bola. Eu disse-lhe: ''Já estamos a jogar contra 14. Também queres entrar para ser 15 contra 11''. E ele respondeu: ''Já levas um penálti. Querias outro, não?'' Engraçado, o Zé.

De 1997 a 2011, sempre em Inglaterra. Muitos amigos no futebol?

Muitos e bons.

Quem, por exemplo?

Goma, Diop, Saha, Zat Knight, Colin Jones, Van der Sar.

O Van der Sar?

Esse mesmo, o Van der Sar. Fomos companheiros no Fulham.

E mais amigos?

Falo bem com o Anelka, mantenho contacto com Vieira, Henry, Overmars, Adams, Campbell. Muitos outros.

E o seu clone?

Quem? O Ian Wright?

Esse mesmo?

Ainda hoje, quando nos encontramos numa festa em casa de alguém, todos gozam connosco. Ele só quer palhaçada mas nunca me tinha apercebido da idade dele. Quando cheguei ao Arsenal, ele já tinha 31 anos. Agora, com essa idade, já não podia jogar este Arsenal-Barça [gargalhadas].

sexta-feira, 11 de março de 2011

Vitória histórica, a confirmação de um candidato e mais um pouco de choradinho

Falcao, o poderoso stricker Portista

Ontem jogou-se uns históricos oitavos-de-final da Liga Europa. O saldo de 3 vitórias foi amplamente positivo, possivelmente excedeu-se as melhores expectativas, mas há ainda um 2º jogo para realizar...
 

Sporting Clube de Braga 1-0 Liverpol
A Vitória histórica. A principal surpresa da jornada, tendo em conta a diferença de potencial entre as duas equipas, mas um resultado justo que abre uma janela de oportunidade para se fazer, ainda mais, história.  E na 1ª parte o Braga até poderia ter feito o 2º golo que não escandalizaria ninguém. 

CSKA Moskva 0-1 FC Porto
A confirmação de um candidato. Com a Liga Portuguesa ganha de forma fácil e categórica o FC Porto vai certamente concentrar os seus esforços nesta Liga Europa. O jogo era extremamente difícil, defrontava uma boa equipa num terreno difícil, também devido ao piso e à neve, mas prova foi superada de forma estóica. O grande golo de Guarín, feliz de quem tem com 12º jogador um jogador deste calibre, coloca o FC Porto no rumo dos quartos-de-finais. Mas nunca fiando porque os Russos são mesmo difíceis de ultrapassar...

SL Benfica 2-1 PSG
O choradinho. No jogo que se esperava mais fácil, o PSG, como se sabe está numa 2ª/3ª linha do futebol europeu, acabou por se revelar aquele em que se registou o resultado menos positivo. O PSG até começou melhor marcou 1 golo, poderia facilmente ter marcado outro num lance em que a bola bateu no poste, e num outro lance Roberto deteve o remate perigoso. Isto na 1ª parte, porque na 2ª o Benfica tomou conta das operações e acabou por justificar o resultado, periclitante, perante uma equipa de igual valia. Ainda assim é uma vitória, mas o golo sofrido poderá ser determinante para apurar o vencedor da eliminatória. Realce para Sidnei que fez um jogo medonho, penso que aí haverá que encontrar uma outra solução. Será Jardel o homem que se segue? Jorge Jesus no final do jogo não se conteve e apontou o dedo ao árbitro para justificar a exibição menos conseguida da sua equipa. Aqui nada de novo.

Finalizando, seria apoteótico ver 3 equipas portuguesas apuradas para os quartos-de-final. É difícil, o Braga tem uma tarefa titânica pela frente, mas o FC Porto e o SL Benfica têm tudo para passar.
 
Por curiosidade deixo aqui o contributo de cada clube português dos últimos cinco anos, que nos colocam em 6º lugar do Ranking da UEFA: 

F.C. Porto: 13,019 (28,4%)
Benfica: 11,336 (24,7%)
Sporting: 10,241 (22,4%)
Sp. Braga: 8,067 (17,6%)
Nacional: 0,916 (2,0%)
Marítimo: 0,800 (1,7%)
U. Leiria: 0,500 (1,1%)
P. Ferreira: 0,393 (0,9%)
V. Setúbal: 0,309 (0,7%)
V. Guimarães: 0,214 (0,5%)

Vieira: «Fomos constantemente empurrados»


Com a barriga, acrescento eu. A entrevista pode ser lida neste artigo e se lerem com atenção vão perceber que a derrota estava «escrita nas estrelas». Vieira deixa de consultar a Maya, homem!

Como sou uma pessoa de bom-senso e sempre com uma enoooooorme vontade de ajudar os outros deixo aqui o link para uma petição a decorrer onde se pede que sejam criadas algumas regras na Liga, e assim terminar com esta enooooorme choradeira: http://www.peticaopublica.com/?pi=P2011N7501

quinta-feira, 10 de março de 2011

Benfica sem razão para reclamar

Já aqui se tem falado sobre o péssimo jornalismo que existe em Portugal, e normalmente neste capítulo os holofotes da vergonha costumam estar apontados para o jornal A Bola, mas há, por vezes vozes lúcidas do jornalismo que se levantam e me fazem acreditar que o jornalismo verdadeiro e actuante ainda existe em Portugal. É o caso de Luís Sobral, do site maisfutebol, e de onde hoje retiro a notícia que explica, para quem quiser ser sério na análise, que o insucesso Benfiquista não se deve às arbitragens, mas sim à superioridade do adversário. Aqui fica a crónica, na íntegra, porque vale a pena a leitura atenta:

Presidente e treinador do Benfica reclamaram da arbitragem de Carlos Xistra no final da partida em Braga.

Luís Filipe Vieira e Jorge Jesus não têm razão. O árbitro esteve bem, a expulsão de Javi Garcia é sobretudo resultado da má reacção do médio espanhol. Pôs-se a jeito, foi expulso.

Ao contrário do que presidente e treinador disseram, o Benfica não entregou o campeonato por causa dos árbitros. Entregou-o porque no início da temporada foi incompetente e porque esta noite, numa partida decisiva, dois dos seus jogadores erraram de forma comprometedora. Primeiro Javi Garcia, logo a seguir Roberto. E, já agora, entregou-o porque o F.C. Porto está a fazer uma campanha espantosa.

No entanto, creio que não é altura de criticar de forma exagerada os desabafos de Luís Filipe Vieira e Jorge Jesus. Este Benfica também estava a fazer uma série notável, só ao alcance de grandes equipas. Perder em Braga deve ter doído. No fundo, um e outro sentem que a equipa tinha condições para estar mais tempo na discussão do título. Têm razão. resta-lhes olhar para o que o clube ainda pode ganhar e esquecer as desculpas fáceis que só lhes ficam mal.

Até porque este domingo o Benfica só pode reclamar de si próprio.

P.S.: Este artigo originou alguns mails mal educados, outros apenas irritados, mais umas dezenas de comentários. Isto significa que há algumas pessoas que toleram mal quem pensa de forma diferente. O que se lamenta, embora não seja novidade e nada altere.


Fonte: Mais Futebol (link)

Braga 2-1 Benfica (2011-03-06) TODA A VERDADE

Parece que eles não vão lá com palavras, as imagens também não os convenceram... E que tal um vídeo? Acho que com um vídeo eles percebem...

quarta-feira, 9 de março de 2011

A vergonhosa capa do Jornal "A Bola"

O bom jornalismo de A Bola, já aqui falado, continua de boa saúde e ao serviço do regime. Esta capa do jornal entra para a história como uma das mais facciosas e sectárias que tenho memória. Todos sabemos que os jornais tem como missão vender e fazer lucro, até aí tudo bem, nada contra, existe porém uma coisinha quase insignificante que se chama código deontológico. É uma coisa chata que deve ser tida em conta, mesmo quando se quer agradar ao dono ao menosprezar um dos rivais directos do clube do regime.

Não resisti em colocar aqui o artigo completo do Jornal Expresso e da autoria do jornalista Tiago Mesquita. Fala, então, quem sabe:


O jornal "A Bola" é para mim uma espécie de resquício em forma de folhetim diário da visão futebolística dos tempos antigos. Vive às custas da imagem de um clube porque esta continua a vender, já o fado nem tanto, Fátima lá está e o outro senhor, a quem convinha ter o povo feliz e embriagado, sereno e de mordaça, faz tijolo há muito tempo. Mas o jornal continua a viver numa espécie de redoma de impunidade futebolístico-intelectual sem grande intelecto, dando-se ao luxo de produzir capas facciosas e tendenciosas como a de ontem. Vale tanto como um folheto do Lidl, mas com muito menos variedade.

Pouco lhes importa se menorizam e enxovalham neste processo de defesa cego a um só clube os adeptos, as equipas, e todos os profissionais de clubes alheios. Uma total ausência de respeito pelos restantes. Aproveitando-se deliberadamente de um país em que a maioria é benfiquista, o jornal "A Bola" chuta para canto a isenção e dá-se ao luxo de criar capas como esta que vemos mais acima. Palavras para quê? Lendo o jornal, o Sporting de Braga parece não ter jogado e marcado dois golos e pelos vistos o FC Porto também não havia ganho ao Vitória de Guimarães no dia anterior, precisou por isso do Sr. Carlos Xistra. E o Roberto não sofreu um golo do meio campo, coisa que nem nos jogos dos infantis se vê. Foi tudo ilusão. Lá teremos daqui a algum tempo e a custo que fazer uma capa a dizer "FC PORTO CAMPEÃO ". Imagino o sofrimento e o ambiente pesado na redação.

Acho que qualquer pessoa minimamente inteligente percebe que o Benfica não precisa disto. Um benfiquista não precisa que um órgão de informação não oficial do clube produza contra-informação permanente que visa exclusivamente encobrir, aligeirar ou justificar desaires. Vitórias enaltecidas como se da batalha de Aljubarrota se tratassem. Miminhos e agrados. As contratações melhores do mundo. Jesus é Deus na terra e Deus Pai Nosso Senhor que se lixe ou vá treinar o Alverca. Agora entende-se a reunião da direção do clube com alguns meios de comunicação social há alguns meses ("definir estratégias"- disseram então...)

O Benfica é muito maior que o jornal "A Bola" e levantar-se-á por ele próprio se cair. Não precisa do andor ou de empurrões em formato de papel. É isso que distingue os clubes ditos grandes dos outros. Nem o jornal "O Jogo", que todos adoram apontar, e com alguma razão, como o jornal oficial do Porto clube, foi capaz alguma vez de produzir uma capa deste calibre. Reles. E jamais em tempo algum menosprezou uma vitória do Benfica. Nunca vi. Nunca li. Mostrem-me.

Esta capa do jornal "A Bola" é provavelmente o maior nojo jornalístico-desportivo dos últimos 20 anos. É de uma azia inexplicável, inqualificável e inadmissível entre profissionais (não todos certamente) mas ajuda em parte a explicar porque é que o FC Porto tem a garra que tem e é neste momento o único clube a ser visto e considerado como "grande" fora de portas. São estas coisas que alimentam o Dragão. Cá dentro continuam a ser tratados como os saloios do costume pela mesquinha e bolorenta comunicação. Mérito a quem o tem. Enorme FC Porto.

PS: Não entendo como ainda há pessoas, adeptos de outros clubes que não o Benfica, que continuam a escrever opinião neste jornal de propaganda avermelhada como se nada se passasse. Devem ser mesmo muito bem pagas.


Fonte: Jornal Expresso (link)

Oceano: “Quero agradecer o apoio dos adeptos”

O antigo capitão «leonino», após o encontro com o Beira-Mar, disse: “Foi importante ganhar. A equipa estava ansiosa por esta vitória e fico feliz por ter acontecido com a minha estreia.” Oceano deixou ainda uma mensagem aos sportinguistas: “Quero agradecer o apoio dos adeptos e esta vitória é dedicada a eles. O Sporting ainda tem muito a ganhar.” 

É este o espírito que nos guindará às vitórias, inevitavelmente.

terça-feira, 8 de março de 2011

El Sporting es el club deportivo, por detrás del Barcelona, más laureado del mundo

Por vezes a dúvida instala-se: será que o Sporting é mesmo um grande clube? Será que no Mundo do desporto existe o reconhecimento de tudo o que foi feito ao longo da história? E este último quarto de século, feriu de morte todo um passado de sucessos?

Para reflexão deixo aqui o texto do jornal espanhol «Mundo Deportivo»

Si hablamos estrictamente de fútbol, podríamos definir al Sporting de Portugal como el Atlético de Madrid del país vecino. Como sucede con el cuadro rojiblanco, 'os Leões' conviven en la capital del país con el equipo más poderoso, en este caso el Benfica. Como sucede con el Atlético, el Sporting sobrevive al otro poder de la competición, el que en este caso encarna el Porto y que en España sería el Barça. Se da la casualidad de que el único título continental que tienen ambos clubs, el Sporting y el Atlético, es la Recopa. Más allá de ello se trata de equipos con una afición especialmente fiel. El conjunto lisboeta cuenta con más de 100.000 'socios' y más de 300 peñas en todo el mundo.
Más allá de ello, el Sporting no es sólo fútbol. Es mucho más que eso. Se puede decir que el conjunto luso no ha perdido el espíritu que llevó a unos veraneantes de Belas, un suburbio cercano a Lisboa, a crear el club en 1906. Entonces se creó como una entidad multidisciplinar, algo que también sucedió con el Atlético. Con el paso de los años el cuadro rojiblanco fue perdiendo sus secciones, algo que no sucedió con el Sporting que a día de hoy tiene equipos en más de 20 disciplinas deportivas a parte del fútbol. De hecho, el Sporting es el club deportivo, por detrás del Barcelona, más laureado del mundo. Uno de sus fundadores, el vizconde José Alvalade, apuntó que deseaba "crear un club grande, tan grande como el más grande de Europa". En este sentido se puede decir que el sueño está cumplido porque 'os Leões' tienen más de 50 medallas de oro en JJ.OO. y certámenes internacionales. Más allá de ello, sus secciones de tiro con arco, atletismo, billar, boxeo, ajedrez, karate, fútbol sala, gimnasia, baloncesto, balonmano, tiro, tenis de mesa, taekwondo, natación, hockey hierba, hockey sobre patines o levantamiento de pesos, acumulan más de un millar de títulos entre nacionales e internacionales. No todas están activas en la actualidad. Especialmente notables son lassecciones de balonmano, hockey patines -dos veces campeona de Europa- o atletismo, una vez campeona absoluta de Europa, donde destacan nombres como los de Carlos Lopes, que fue medalla de oro en maratón en Los Angeles 84; Rui Silva, bronce en Atenas 2004 en 1.500m; la saltadora Naide Gomes, campeona del mundo Indoor en 2004; o el velocista Francis Obikwelu, plata en Atenas 2004 en los 100 metros.


El fútbol también

Evidentemente, la sección más reconocible y la que cuenta con más adeptos es la de fútbol. Se estima que cuenta con más de tres millones de aficionados. Tiene, entre otros muchos títulos, 18 ligas, 15 Copas de Portugal, la mencionada Recopa de 63-64. El Sporting llegó a jugar la final de la UEFA en la 04-05, que curiosamente lo hizo en su estadio el Alvalade XXI y que perdió ante el CSKA Moscú.


O artigo pode ser encontrado neste link.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Procurar na Bancada de Imprensa

Pesquisa personalizada

Número total de visualizações de página

SiteMeter

FeedBurner FeedCount

Page Rank

Subscribe via email

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner