terça-feira, 2 de novembro de 2010

Sport Lisboa e Benfica vs Paços de Ferreira (29.10.2010)

Antes de este jogo conhecia um jogador talentoso, de seu nome Fábio Coentrão, proveniente de uma fantástica localidade, as Caxinas. Depois deste jogo ficamos a conhecer um outro, Fábio Mergulhão de seu nome, nascido na terra Vila Condense de Piscinas, ficando a alcunha muito bem assente de 'piscineiro'. Foi também dia de apresentação do novo reforço Bruno Esteves, que promete ter um futuro radioso perante tão bom serviço prestado. Ao Paços agradece-se não ter colocado a jogar os dois habituais titulares, Diogo Simão e Nelson Oliveira - de quem se de diz que está a realizar uma grande temporada - que só por coincidência são emprestados pela agremiação encarnada... Quanto à arbitragem não me vou repetir, mas avaliando pelas não declarações dos dirigentes benfiquistas, que estão sempre prontos a reclamar de tudo, não se passou nada que não fosse esperado.
Numa análise superficial aos números da vitória encarnada dá um diagnóstico assente na eficácia. O Benfica rematou menos que o Paços de Ferreira (15 contra 17), mas marcou 2 golos contra zero do adversário. Aliás, a equipa de Rui Vitória alvejou mais vezes a baliza de Roberto que Sp. Braga e Sporting (11 remates) e bateu esses números ainda antes do intervalo (12 tiros aos 45'). Nunca, esta época, um visitante tinha disparado tanto na Luz.
Mas o feito pacense tem de ser analisado à luz da visita ao Porto, na próxima jornada. A licença para atirar concedida pelos encarnados tem correspondência na menor agressividade evidenciada. O Benfica cometeu apenas 12 faltas (um recorde esta temporada) e neste capítulo Luisão (0), Maxi (0) e Javi (1) – jogadores que estavam em risco para o Dragão – revelaram enorme disciplina.
Inclinado à esquerda
Mesmo sem rematar tanto, o Benfica dominou, com mais posse de bola (59%) e com mais ataques (90 contra 61). Neste capítulo, os encarnados voltaram a privilegiar os flancos, em particular o esquerdo (43 iniciativas contra as 30 efetuadas pelo lado direito). Um facto que pode ser explicado pelo regresso de Coentrão ao onze. Jesus colocou-o em funções mais ofensivas, mantendo César Peixoto como lateral (fórmula adotada frente ao Sporting) e voltou a tirar dividendos. O penálti que deu origem ao 2-0 nasceu de uma falta, inexistente, sobre Coentrão.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Escreve aqui a tua opinião, seja ela qual for.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Procurar na Bancada de Imprensa

Pesquisa personalizada

Número total de visualizações de página

SiteMeter

FeedBurner FeedCount

Page Rank

Subscribe via email

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner