quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Crónica SL Benfica vs Lyon (02.11.2010)

Ontem à noite no Estádio da Luz jogou-se a 4ª jornada do Grupo B. O Benfica estava 'obrigado' a vencer o mesmo para ainda ter hipóteses de apuramento.


Benfica. Sem um Palhaço, houve um Toto


Aimar estava para jogar, não jogou e entrou Salvio. Que deu velocidade e pôs Martins no lugar que é dele quando Aimar não está. E o Benfica venceu o Lyon por 4-3


"Papá marquei um golo bonito!" disse Pablo. "Boa filho, parabéns", respondeu Ricardo. No dia seguinte à jogada que marcou o Benfica-Paços de Ferreira, 2-0, Aimar-filho telefonou a Aimar-pai como tantas outras vezes (mais há dez anos do que agora) para lhe contar o que fizera em campo. Parecia coisa de novela de cordel: na véspera do 50.o aniversário de Maradona, Aimar, um dos múltiplos delfins de El Pibe, fez um golaço. Mas na vida de Aimar, poucas coisas são escorreitas como um final feliz e na véspera do seu 31.º aniversário, Pablito, que viu o seu golo replicado em vários jornais, indispôs-se minutos antes do Benfica-Lyon - lá se foram as histórias da prenda antecipada e do génio acordado.

E lá se foi o número 10 de Jesus que se viu obrigado a lançar Salvio: sem um Payaso, havia um Toto na manga de JJ. De resto, do resto da equipa, foi o que se esperava com um pequenino twist: Coentrão e Peixoto jogaram à esquerda, mas o miúdo das Caxinas à defesa e o homem das Taipas ao ataque. JJ disse ter aprendido uma ou outra lição em França (0-2) e uma delas foi o jogo dos extremos do Lyon. Que começou ao ataque, viu dois golos anulados (um por fora de jogo; outro por mão na bola), como que a avisar que não vinha a Lisboa só para caçar o ponto para chegar à próxima fase da - o Lyon é espécie de predador que não falha uma Champions há uma década e no ano passado chegou às meias-finais.

A resposta do Benfica fez-se por Salvio, num bom remate, e depois por Alan Kardec num cabeceamento entre centrais. Kardec, que fizera o 100.o golo do Benfica em 2009/10 frente ao Marselha, marcou (20') ao Lyon que cumpriu, ontem, o 100.o jogo na Liga dos Campeões. A assistência (a primeira da noite) foi de Carlos Martins a fazer de Aimar melhor do que o próprio Aimar. É que 12 minutos depois, num contra-ataque guiado por Salvio, Martins cruzou para o 2-0 de Fábio Coentrão (em fora-de-jogo). E isto aconteceu quando o Lyon procurava o empate, tentando aproveitar algumas perdidas de David Luiz que continua a pensar que se pode fintar na Champions como na Liga portuguesa.

Com dois golos de vantagem, o Benfica ficou nas suas sete quintas: defendia, recuperava a bola e lançava o contragolpe (a expressão é de Jesus) pelos velocíssimos Salvio e Coentrão (!). O porquê da exclamação? Simples, porque Coentrão voltou a fazer dois lugares: o de defesa, que lhe estava atribuído de início; e o de avançado, supostamente a cargo de Peixoto. E quando se deu a César o que seria de César, deu no que deu: falhanço incrível aos 37', no mesmíssimo lugar onde instantes antes Coentrão fizera o 2-0. Falhanço irrelevante, porque instantes depois, García fez o 3-0 (42') na terceira assistência de Martins. A noite era dele que se julgava capaz de tudo (a moral tem destas coisas), até fazer um golo num livre lateral: David Luiz não gostou, protestou e Martins respondeu a doer, mandando o defesa para todos os sítios menos para Doha que é onde ele irá estar no dia 17 (Argentina-Brasil).

Esse vai ser um grande jogo mas o de ontem também o foi. Mais na primeira que na segunda parte, porque com 3-0 ao intervalo a coisa parecia estar feita: o Lyon trocava a bola, o Benfica idem e Jesus pensava uns dias à frente, no clássico de domingo. Com os suplentes a aquecer na linha; com Saviola abaixo daquilo que dele se espera; e com Peixoto uns furinhos acima do que fizera nos primeiros 45', os encarnados cumpriam o melhor jogo da época, à imagem do Benfica campeão que JJ gosta de relembrar. Só que depois abrandaram já Coentrão tinha feito uma chapelada (4-0, aos 67', na quarta assistência de Martins) e passaram por um aperto: Gourcuff mostrou pinta (4-1, aos 75'), Gomis (4-2, aos 85') aproveitou a inércia e Lovren (4-3, aos 90+5') o frangueiro que ainda existe em Roberto. Ganhou-se a primeira batalha da semana. Falta a mais difícil.

Fonte: Jornal i 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Escreve aqui a tua opinião, seja ela qual for.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Procurar na Bancada de Imprensa

Pesquisa personalizada

Número total de visualizações de página

SiteMeter

FeedBurner FeedCount

Page Rank

Subscribe via email

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner