quinta-feira, 5 de maio de 2011

Um Nobel sem escrúpulos

Um sinal, entre muitos, que ilustram a profunda crise moral da "civilização ocidental cristã", que os Estados Unidos da América afirmam representar, é fornecida com a notícia do assassinato de Osama Bin Laden. Além da rejeição que sentimos sobre o carácter e os métodos de luta, a natureza da operação realizada pelos Navy Seals, da Marinha dos Estados Unidos, é um acto de barbárie inominável perpetrada sob as ordens directas de um personagem que, com a sua conduta, desgraça a honra concedida pelo Parlamento norueguês para estabelecê-lo como Prémio Nobel da Paz em 2009.

De acordo com o estabelecido por Alfred Nobel em seu testamento que a distinção, lembre-se, era para ser concedida, "a pessoa que trabalha mais ou melhor para a fraternidade entre as nações, pela abolição ou redução dos exércitos permanentes e que a exploração e promoção de processos de paz." 

O louco que anunciou ao povo americano a morte do líder da Al-Qaeda, dizendo que "a justiça foi feita" é a perfeita antítese com os termos do Nobel. A operação de comando detém a menor semelhança com o devido processo, e jogando os restos mortais de sua vítima para o mar para esconder os vestígios do processo é o modos operando típico da máfia e do genocídio. O mínimo que o parlamento norueguês deve fazer é exigir a devolução do prémio. 

Na operação macabra, encenada na periferia de Islamabad, há muitas questões que permanecem nas sombras, e a tendência do governo dos Estados Unidos para desinformar o público torna ainda mais suspeita esta operação. A Casa Branca, vítima de uma compulsão doente de mentir, (lembram-se da história de "armas de destruição em massa existentes no Iraque, ou o famigerado Relatório Warren, que decidiu que não houve conspiração no assassinato de Kennedy, a obra de" lobo solitário "Lee Harvey Oswald) nos obriga a tomar com pinças de cada uma das suas reivindicações. Bin Laden foi ou não morto? A vítima poderia ter sido outra pessoa? Onde estão as fotos, provas de que o falecido é Osama? Se o teste de DNA foi realizado, como foi obtido, onde estão os resultados e quem foram as testemunhas? Por que não o submeteu à apreciação pública, como o fez, sem ir mais longe, com os restos do Comandante Ernesto "Che" Guevara? e, como ele diz, Osama estava escondido em uma mansão transformada em uma fortaleza, como é possível que em uma batalha que durou quarenta minutos, os membros do comando dos EUA voltaram para a sua base, sem sofrer sequer um arranhão? Mas que fraca pontaria têm os defensores do fugitivo mais procurado do mundo, que é dito possuir um arsenal de armas letais de última geração. Quem estava com ele? De acordo com o comando da Casa Branca, foi morto bin Laden, o seu filho, dois outros homens em sua custódia e uma mulher que, dizem eles, foi abatida porque foi utilizada como escudo humano por um dos terroristas.

Também foi dito que duas pessoas haviam sido feridas em combate. Onde é que eles estão, o que fizeram com eles? Será que eles vão ser levados a julgamento, eles vão ter declarações a lançar luz sobre o que aconteceu, falando em uma conferência de imprensa para contar o que aconteceu? Então, parece que esta "façanha" vai ficar na história como um assassinato mafiosas operação Valentim ordenados por Al Capone para acabar com os chefes de gangues rivais.

Morte a Osama, que era uma ameaça. Ele sabia (ou sabe) demais, e é razoável supor que a última coisa que o governo dos EUA queria era ir a julgamento e deixá-lo falar. Este caso, tem provocado um escândalo de proporções enormes, a revelar as ligações da CIA, armas e dinheiro fornecidos pela Casa Branca, operações ilegais montadas por Washington, o negócio da família escuro com o lobby do petróleo dos EUA e especialmente com a família Bush, entre outras trivialidades. Em suma, uma testemunha que havia para reprimi-las ou sim, como Muamar Kadafi. O problema é que Osama é morto por jihadistas islâmicos torna-se um mártir para a causa, e desejo de vingança irá certamente aumentar a muitas células adormecidas da Al Qaeda para perpetuar atrocidades para vingar a morte de seu líder.

Mas que oportuna foi a morte de bin Laden. Numa área de importância crucial para a estratégia de dominação imperial, o assassinato de Bin Laden, Al Qaeda reinstala-se como centro do palco. Se alguma coisa neste momento é uma verdade incontestável é que esses distúrbios não estão a responder a qualquer motivação religiosa. As suas causas, os seus temas e formas de luta são, essencialmente, seculares e nenhum - de Tunísia para o Egipto, através da Líbia, Bahreim, Iêmen, Síria e Jordânia, os holofotes caíram sobre a Irmandade Muçulmana ou da Al Qaeda. O problema é o capitalismo e os efeitos devastadores das políticas neoliberais e os regimes despóticos que se instalaram nesses países e não as heresias do "infiel" Oeste. Mas o imperialismo dos EUA e seus seguidores na Europa que desejam, desde o início, para trazer estas revoltas, como resultado do mal do islamismo radical e a Al Qaeda, que não é verdade. Há um detalhe não anedótico que torna ainda mais imoral esta bravata americana: poucas horas depois de ser baleado, o cadáver do suposto Bin Laden foi atirado ao mar.  Quem leu até aqui que escreva a palavra "fake" nos comentários. O mentiroso comunicado da Casa Branca disse que os seus restos mortais foram enterrados respeitando as tradições e os rituais islâmicos, mas não é verdade. Ritos funerários do Islão, para lavar o corpo, vestido com uma mortalha, para estabelecer uma cerimónia religiosa, que inclui orações e funeral e depois é só seguir para o enterro do defunto.

Pode-se especificar que o corpo deve ser depositado directamente no chão, apoiado em seu lado direito e o lado voltado para Meca. Como rapidamente tiveram que ser feitas para o combate, a recuperação do corpo, a identificação, recuperação do DNA, a transferência para um navio dos EUA, localizada a apenas cerca de 600 quilómetros do subúrbio de Islamabad, onde ocorreram as confrontações e, finalmente, navegar até o ponto onde o corpo foi atirado ao mar para observar os ritos do islão? Na verdade, o que foi feito foi morto e "desaparecido" uma pessoa, supostamente bin Laden, seguindo uma prática sinistra utilizado principalmente pela ditaduras genocidas. Um acto imoral que não só ofende as crenças muçulmanas, mas uma antiga tradição cultural do Ocidente, mesmo antes do cristianismo. Como testemunhou magistralmente Sófocles em Antígona, de privar um cadáver do seu túmulo por sua vez as paixões mais amargas. Aqueles que hoje deve estar queimando as células do fundamentalismo islâmico, ansioso para dar uma lição aos infiéis insultado o corpo e a memória de seu líder. Barack Obama acaba de dizer que após a morte de Osama Bin Laden, o mundo é um lugar mais seguro para viver. Ele está errado. A sua acção provavelmente não terá feito mais do que acordar um monstro, estava adormecido.

O tempo dirá se isso é verdade ou não, mas há muitas razões para estar preocupado.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Escreve aqui a tua opinião, seja ela qual for.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Procurar na Bancada de Imprensa

Pesquisa personalizada

Número total de visualizações de página

SiteMeter

FeedBurner FeedCount

Page Rank

Subscribe via email

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner