quarta-feira, 20 de abril de 2011

Leões e Ratos

Palavras para quê, está aqui tudo explicado [lá e cá, também...] 

"Insólito: perdem o campeonato e estão contentes."  

"O Barça foi um leão, o Real Madrid, um rato." 


A realidade e a ficção são muitas vezes misturadas no futebol, mas convém atender aos factos para não nos distrairmos. No sábado disputou-se o primeiro dos quatro jogos que colocarão Real Madrid e Barcelona frente-a-frente num prazo de três semanas. O empate a um golo mantém a equipa catalã com uma vantagem de oito pontos, a seis jornadas do final da Liga. Após o encontro, no Santiago Bernabéu, ficou quase certa a vitória do Barcelona no campeonato. São os dados que ficaram do jogo, pura estatística, como a impressionante diferença de posse de bola entre as duas equipas (72% Barca, 28%, Real Madrid) e a desvantagem numérica da equipa de Mourinho, com a expulsão de Albiol, após a grande penalidade que cometeu sobre Villa.

O que aconteceu no Santiago Bernabéu deveria significar séria preocupação para o Real Madrid e seus adeptos. No entanto, por razões inexplicáveis, os fãs ficaram satisfeitos com o empate que ofereceu o título de campeão ao Barça. A maior parte dos madridistas e dos jornalistas considerou um êxito o que, de facto, foi uma decepção. É verdade que a equipa teve mérito em superar o afastamento de Albiol e chegar ao empate com uma demonstração do épico velho alento do Real. Tem sido sempre assim e assim continuará , sempre e sempre.

Para além do épico episódio, ajudou a entrada de Özil, na última meia hora. Colocar Özil no banco - uma das sensações da temporada e talvez o jogador mais admirado pelos adeptos - significa a mesma coisa que prescindir de Zidane no auge de sua carreira em Madrid e colocar no seu lugar um central. E isto é o que Mourinho fez, ao colocar Pepe no meio-campo retirando a titularidade a Özil. Noutros tempos, o Bernabéu teria explodido de raiva. Teria chamado o treinador de cobarde, acusando-o de trair a história do Real, apavorando-se ante o Barça. Mas algo mudou na psique colectiva dos madridistas, como ontem explicou o jornalista Roberto Palomar, na última página do diário Marca: "Insólito: perdem o campeonato e estão contentes."

Na conferência de imprensa, após o jogo, José Mourinho, reiterou o seu discurso cansado, novamente designando o árbitro responsável pelos problemas do Real. É um discurso de voo curto, que vende bem aos adeptos angustiados. Nem sequer incidiu sobre o mérito da sua equipa na meia hora final, até porque esse mérito se ficou a dever em grande parte ao erro do treinador no onze inicial. Sem Özil, o Real não deu dois passes seguidos. Faltou-lhe um grau mínimo de criatividade para surpreender o Barcelona. Foi uma concessão sem precedentes, que permitiu ao líder um jogo confortável . Como referi: 72% de posse de bola, uma terrível percentagem quando esta se verifica na equipa que melhor manobra o jogo no futebol mundial.

Através de Mourinho e do seu discurso foi criado falso discurso: o Real Madrid não pode jogar de igual para igual com o Barça. Falamos do clube com o maior orçamento do mundo, de uma equipa que tem recebido nas últimas temporadas jogadores que valem mais de 400 milhões de euros, que tem dois Bolas de Ouro, cinco campeões mundiais e abundante número de estrelas da Argentina, Alemanha e Brasil. Nunca na sua história, o Real teve melhor plantel, mas entrou num fatalismo inacreditável que leva a pensar que a única forma de se impor ao Barça é renunciar à história e comportar-se como uma equipa pequena.

Esta ideia de um Real diminuído reflecte a volta radical que sofreu o futebol espanhol. Guardiola disse há algum tempo, antes de se tornar treinador, que os jogadores do Barça saíam felizes quando empatavam no Santiago Bernabeu. "Empatámos no meu primeiro jogo em Madrid. Lembro-me de olhar para o rosto de Michel. Estava amargurado como uma fera ferida, com o resultado", comentou então o actual técnico do Barça. Vinte anos depois, os jogadores do Real e os adeptos celebraram como uma vitória um resultado que deu o campeonato ao seu grande rival. Assumem que esta é a melhor forma de enfrentar a final da Taça em Espanha e as meias-finais da Liga dos Campeões. E defendem esta perversão histórica com tal força, que consideram antimadridista quem se atreva a questionar essa imagem tão distante do que significou historicamente o Real. Até que aparece Alfredo Di Stéfano, o mito por excelência do Real Madrid, e que titulou assim o seu artigo semanal na Marca: "O Barça foi um leão, o Real Madrid, um rato." É esta a história.

Opinião de Santiago Segurola (link)

1 comentário:

  1. O Segurola é um contador de histórias. Caga as suas postas de pescada há demasiado tempo na Marca mas não diz nada. É por causa dele e de outros como ele que o Real é um trituradora de treinadores ( até mais do que de jogadores ), bastando para isso recordar os ataques atrozes a Schuster, Capello e quem mais vier.

    Mas gostei de ler esses artigo aqui. Lembrou-me para o facto de agora ter de passar no site da MARCA para ver se o discurso de hoje do D. Santiago coincide com o que esreveu supra.

    SL

    ResponderEliminar

Escreve aqui a tua opinião, seja ela qual for.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Procurar na Bancada de Imprensa

Pesquisa personalizada

Número total de visualizações de página

SiteMeter

FeedBurner FeedCount

Page Rank

Subscribe via email

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner