quinta-feira, 29 de março de 2012

Sá Pinto, o Me(n)talista



«...tudo é possível, nós somos o Sporting». Isto arrepia.

Não ganhamos nenhum título com Sá Pinto, ainda, mas inegavelmente a nossa auto-estima está a ser brilhantemente polida. Há uns meses atrás olhávamos para estes jogos com receio do que poderia advir. Agora não. Agora espera-se ansiosamente pela hora do jogo. Dias a pensar no momento em que a mais bela camisola sobe ao relvado envergada por 11 bravos leões. O orgulho de ter no banco um de nós, sabendo que, não sendo somente isso que interessa para a função, dá alento para ir à luta.
link link link link link link link link link link link
Sá Pinto sabe, como poucos, que tudo no Sporting é escrutinado ao ínfimo pormenor [os adeptos leoninos até nisso são diferentes], mas até para aqueles adeptos que discordam de tudo e de todos, a começar por eles próprios, o momento é de união, de partilha de esforços e de uma feroz vontade de vencer.

Quem viu o nosso treinador,
com atenção, na conferência de imprensa vê ali um orgulho que só um genuíno leão poderá sentir. Um gesto basta para que Sá Pinto conquiste qualquer simpatia. Alguém reparou que, quando toda a gente se levantou no fim da conferência de imprensa, Sá Pinto cumprimenta todos os intervenientes, o que é normal, e quando saí de cena arruma a própria cadeira e a cadeira do elemento Sportinguista que estava ao seu lado? O que é que isso tem de relevante? O que fazem vocês em vossas casas? Tudo arrumadinho e com o maior orgulho, porque é a vossa casa, não é? Pode parecer estranho esta observação, mas traçando o perfil psicológico (e sociológico) de Sá Pinto noto aqui uma evolução na sua postura. O que o engrandece.

Sobre as qualidades para orientar o Sporting, neste momento, já aqui manifestei que foi a escolha certa no momento certo. Os resultados apesar de não serem os melhores possíveis (aquele jogo com o Setúbal...) revelam uma nova abordagem ao jogo que corta com o passado recente. A progressão em posse de bola é de difícil execução (aquilo que o Barcelona faz, 'facilmente', é somente uma ilusão), e Sá Pinto está a conseguir implantar este novo modelo sem hipotecar o resultado. Sem querer fazer comparações, Guardiola nos 10 primeiros jogos com o Barça, com um modelo similar a este, foi largamente criticado por quem agora o bajula, como Santiago Segurola aponta e muito bem (leiam este artigo que é um documento histórico).

Leram? «...passe, paciência, posse de bola e predomínio de jogadores da cantera» encontram aqui alguma das medidas já implementadas por Sá Pinto? E sim, a cantera será peça fundamental do futuro leonino, não se esqueçam disso.

Do Metalist Kharkiv sei pouco, mas das informações que fui recolhendo, penso que é uma equipa que privilegia a bola no pé, nunca descurando a velocidade do contra-ataque. 


Deixo aqui a minha táctica para mais logo (já vos disse que prefiro um Sporting em 4-4-2?) Com laterais a subirem bastante, (já o fazem) com um trinco mais posicional (Deus Rinaudo, volta logo...), dois médios com muita qualidade de passe, e retenção de bola quando se impõem, com o ressurgir do verdadeiro 10 (com Matías mas também com A. Martins, assim ele aproveite) e dois avançados. Mais do que óbvio, para mim, que os dois avançados são necessários para desbaratar defesas com 4 ou 5 elementos. E temos jogadores para isso. Capel poderá ter mais dificuldades de encaixar este modelo, mas Jeffrén não é extremo, mas sim um avançado móvel, tal como Carrillo poderá muito bem actuar neste modelo. E ainda há Rúbio. E Matías? Poderá muito bem fazer o lugar de avançado mais móvel, tal com Del Piero faz na Juventus.

O dia em que esta táctica voltará a ser uma realidade já esteve mais longe, e se repararem bem era aceitável, também, uma táctica de 4-1-3-2.

                                                                  Rui Patrício

                                                           Xandão       Polga (cap.)

                                     João Pereira                                          Ínsua

                                                                   Carriço

                                          Izmailov                                    Schaars

                                                                     Matías

                                               Wolfswinkel          Capel (Jeffrén)


Lista dos 22 convocados:
Guarda-redes: Rui Patrício, Marcelo Boeck e Tiago;
Defesas: João Pereira, Ilori, Carriço, Polga, Xandão, Evaldo e Insúa;
Médios: André Santos, Schaars, Capel, Izmailov, Matías, André Martins, Jeffrén e Renato Neto;
Avançado: Carrillo, Van Wolfswinkel, Ribas e Rubio.


Jogo:
1ª Mão dos Quartos de Final da Liga Europa
Sporting Clube de Portugal vs Metalist Kharkiv (Ucrânia), quinta-feira, 29 de Março, às 20h05, no Estádio José Alvalade.

Pronóstico:
Sporting Clube de Portugal 2 - 0 Metalist Kharkiv
Marcadores: Matías e Wolfswinkel 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Escreve aqui a tua opinião, seja ela qual for.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Procurar na Bancada de Imprensa

Pesquisa personalizada

Número total de visualizações de página

SiteMeter

FeedBurner FeedCount

Page Rank

Subscribe via email

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner