quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Órfãos de Xavi

Como já tenho dito, é um prazer ler as crónicas de Santiago Segurola. Mais uma que pode ser lida no Diário de Noícias:

O pequeno corpo de Xavi contém todos os segredos do futebol. É um manual com botas, o tipo de jogador que transmite às suas equipas o ritmo adequado, os passes necessários e a capacidade para detectar as fraquezas dos adversários. Xavi funciona no meio-campo como um entomólogo. Analisa todos os detalhes - os grandes, os pequenos e os microscópicos - e depois toma decisões, quase sempre de forma favorável à sua equipa, quase todas letais para os adversários.

Os espanhóis recordam Xavi em todas as categorias internacionais. Nos seus primeiros anos, ganhou o Mundial juvenil de 1999 e a medalha de prata dos Jogos Olímpicos de Sydney. Sucedeu a um mito como Guardiola e instalou-se no Barcelona com 18 anos. Conquistou seis Ligas, duas Ligas dos Campeões, uma Taça do Mundo de clubes e o último Mundial. É o jogador mais respeitado e seguramente o melhor que o futebol espanhol produziu.

O palmarés de Xavi recorda-nos o seu peso em todos os lugares onde esteve. Ao redor deste centrocampista fenomenal quase sempre se formaram equipas brilhantes e ganhadoras. Equipas submetidas ao critério de um jogador obsessivo que demorou a ter o reconhecimento que hoje recebe. Com a perspectiva da história, Xavi é um génio indiscutível, o tipo de futebolista que aumenta exponencialmente o rendimento dos companheiros. Sem dúvida a sua carreira não tem sido fácil. Em alguns momentos consideraram-no o principal responsável pelos fracassos do Barça e da selecção.

Há um ano, o tablóide inglês Daily Mail publicou uma fotografia da cerimónia de entrega do prémio da FIFA para o melhor jogador do Mundo. Lá estavam Messi, Cristiano Ronaldo, Rooney, Fernando Torres e Xavi. "Os quatro melhores jogadores do Mundo e um tal Xavi", era o título do Daily Mail. O critério infame do jornal sensacionalista não impede que se pense que Xavi recebeu a consideração que merece. Com toda a segurança, foi mais apreciado por futebolistas e treinadores que por jornalistas e adeptos.

Xavi não é um jogador fácil de compreender. Não é rápido, não é forte e não é goleador, mas ninguém pensa mais rápido, nem é mais competitivo e ninguém encontra melhor os avançados que ele.

Num jogo normal passa a bola 90 vezes com 95% de precisão. Num bom ultrapassa os 100 passes, com 98% de certeza. Muitos são simples, previsíveis. Outros desestabilizam o sistema defensivo dos rivais. E alguns reinventam as partidas, como normalmente acontece no Santiago Bernabéu [estádio do Real Madrid].

A sua interpretação do jogo mudou a forma de ver o futebol em Espanha. Pode-se dizer que Xavi ensinou os adeptos espanhóis a interpretar o jogo de forma diferente. Este legado gigantesco explica a sua importância nos últimos dez anos. Agora Xavi tem 30 anos e começa a sofrer o peso da idade. Doem-lhe as penas, os ligamentos estão inflamados, a fadiga é evidente. Há uns dias pediu ao seleccionador Del Bosque e a Pep Guardiola duas semanas de descanso. Não podia mais. Há que temer o futuro declínio do centrocampista do Barça. Nem a selecção, nem a sua equipa serão as mesmas sem este jogador irrepetível. Espanha sofreu cada vez que não contou com Xavi. Em Buenos Aires foi destroçada pela Argentina. O Barcelona tem Messi, mas nem o jogador argentino pode remediar a ausência do "grande arquitecto". O humilde Maiorca empatou no domingo em Camp Nou [1-1,para a sexta jornada da Liga espanhola]. Apesar de não jogar mal, o Barcelona procurava o "piloto" do seu futebol. Ele não estava. Faltou Xavi e a sua equipa sentiu-se órfã.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Escreve aqui a tua opinião, seja ela qual for.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Procurar na Bancada de Imprensa

Pesquisa personalizada

Número total de visualizações de página

SiteMeter

FeedBurner FeedCount

Page Rank

Subscribe via email

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner