terça-feira, 5 de outubro de 2010

Bento era contra os naturalizados mas vai tudo girar à volta de um luso-brasileiro

Paulo Bento nunca foi a favor de jogadores naturalizados na selecção. Nem mesmo quando estava em causa a chamada de um dos elementos mais próximos nos últimos anos mudou de opinião. "A decisão é do Liedson e da FPF. Espero é que alguns que eram contra não estejam agora a colocar-se a favor por estarmos num momento de dificuldade. A minha opinião não vai mudar", salientou há quase dois anos, após uma vitória do Sporting frente ao Shakhtar, na Liga dos Campeões. O cenário é hoje diferente? Nada. E quem convive mais de perto com o treinador ressalva que essa continua a ser a convicção de Bento - em termos práticos, Evaldo, que até já poderia ser convocado, nunca seria opção... - mas destaca uma nuance: os que já estão naturalizados e representaram a selecção são iguais a todos os outros. De tal forma que o primeiro onze da nova era dependerá do posicionamento de um jogador que nasceu no Brasil: Képler Laveran Lima Ferreira. Ou, para simplificar, Pepe.

Na conferência de imprensa em que anunciou os 23 convocados para a dupla operação Dinamarca-Islândia, Paulo Bento não se furtou à pergunta directa sobre a melhor posição para o defesa do Real Madrid. "O Pepe é um central de origem mas no Marítimo chegou a alinhar algumas vezes como médio, assim como na selecção, agora mais recentemente. Parece-me que pode sentir-se mais cómodo como defesa-central mas isso não significa que não possa actuar em determinados momentos como médio, tendo em conta os interesses da selecção", referiu. As dúvidas que já existiam adensaram- -se, cresceu um novo tabu - onde colocar Pepe na recepção à Dinamarca? No eixo central, mantendo dupla com o companheiro de equipa e subcapitão Ricardo Carvalho, ou como médio-defensivo, para abrir vaga ao indiscutível (até agora) Bruno Alves? Os próximos três dias dirão.

VERSÃO CENTRAL Bento é adepto da solidez defensiva - para o técnico, uma equipa constrói-se de trás para a frente e não sofrer golos é meio caminho andado para a vitória. Nesse sentido, e como é impossível criar rotinas na selecção (pelo escasso tempo de trabalho), manter Pepe e Ricardo Carvalho é uma ideia com tanto de possível como de lógico. Mais: assim o luso-brasileiro estará na posição onde melhor se sente e mais rendimento tem.

VERSÃO MÉDIO A valia de Bruno Alves, a lesão de Veloso (que está em dúvida) e o bom jogo aéreo dos dinamarqueses são pontos que podem empurrar Pepe para o meio-campo - assim há equilíbrio de alturas e os laterais ficam mais soltos para subir no terreno. Bento tem a palavra.

Fonte: Jornal i

Sem comentários:

Enviar um comentário

Escreve aqui a tua opinião, seja ela qual for.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Procurar na Bancada de Imprensa

Pesquisa personalizada

Número total de visualizações de página

SiteMeter

FeedBurner FeedCount

Page Rank

Subscribe via email

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner